Super banner
Super banner

Araxá debate emprego e trabalho decente

Araxá debate emprego e trabalho decente

Foto: Divulgação STE

Da Redação/Raphael Rios – A Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego realizou, na última sexta-feira (12), a Conferência Regional do Emprego e Trabalho Decente. O evento, que abrangeu o Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas, discutiu políticas públicas de trabalho, emprego e proteção social a partir de quatro grupos de trabalho, divididos por eixos temáticos: princípios e direitos; proteção social; trabalho e emprego; e fortalecimento dos atores tripartites e do diálogo social.

De acordo com o secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, Araxá pode tirar benefícios na área de qualificação. “Estou aqui garantindo ao prefeito que se Araxá for um Centro de Treinamento de Seleções a cidade terá todo o nosso apoio e ações para começarmos, a partir do ano que vem, a qualificação de profissionais na cidade”, diz.

Essa é a primeira de cinco conferências preparatórias para a 1ª Conferência Estadual de Emprego e Trabalho Decente, que será realizada em Belo Horizonte, nos dias 6 e 7 de outubro e que, por sua vez, será preparatória para a 1ª Conferência Nacional, que acontecerá no próximo ano.

“O evento tem a participação do Ministério do Trabalho, da Organização Mundial do Trabalho e foi organizado desde 2003, ou seja, já estamos há vários anos preparando a Conferência no interior em Belo Horizonte e logo depois em Brasília”, afirma Carlos Pimenta.

Em cada encontro regional serão eleitos 60 delegados, somando os 300 que se reunirão na Conferência Estadual.

“Vamos tratar sobre a saúde do trabalhador, ambiente de trabalho, ações para combater o trabalho escravo e infantil, além da necessidade da educação para os nossos jovens evitando que eles vão precocemente para o trabalho”, destaca o secretário.  

“Nossos números mostram que no mês de junho das 130 mil vagas que nos captamos na rede Sine, só conseguimos inserir cinquenta mil trabalhadores, ou seja, não chegamos nem a metade das vagas em Minas Gerais”, acrescenta.

Notícias relacionadas