Araxá não atende critérios para projeto de integração regional por modalidade aérea executado pelo Estado

Araxá não atende critérios para projeto de integração regional por modalidade aérea executado pelo Estado
Foto: Diário de Araxá

Já está em operação desde o dia 17 de agosto o Projeto de Integração Regional de Minas Gerais – Modal Aéreo (Pirma), com a oferta de 60 voos semanais, sem escalas, ligando Belo Horizonte a 12 cidades do interior – Curvelo, Diamantina, Divinópolis, Juiz de Fora, Muriaé, Patos de Minas, Ponte Nova, São João del-Rei, Teófilo Otoni, Ubá, Varginha e Viçosa.

A iniciativa é do Governo de Minas, por meio da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig) e da Secretaria de Estado de Obras Públicas (Setop), e objetiva fomentar negócios regionais desenvolver o turismo e facilitar o deslocamento de moradores do interior à capital mineira, permitindo acesso rápido a eventos e serviços.

As rotas e frequências dos voos foram definidas preferencialmente para cidades não atendidas pela aviação regular e a partir de uma pesquisa de mercado, que ouviu 2,1 mil pessoas em 31 municípios do Estado, para identificar a demanda pelo transporte aéreo nessas localidades.

Apesar de ser atendida pela aviação regular, com apenas um voo ofertado semanalmente a Belo Horizonte, Araxá participou da pesquisa e, mesmo com aeroporto bem estruturado e potencial mineral, empresarial e turístico, ficou de fora do projeto.

Em nota enviada ao Diário de Araxá, a Assessoria de Comunicação da Codemig diz que os municípios atendidos na primeira fase do Pirma foram os que melhor responderam a critérios estabelecidos na pesquisa, como interesse em viajar de avião a Belo Horizonte, dias mais favoráveis, frequência de viagens e outros.

“Os resultados da pesquisa de mercado apontaram que a demanda de usuários interessados em pagar um bilhete aéreo no valor de R$ 450,00 para vir de Araxá a Belo Horizonte não era suficiente para viabilizar a inclusão da cidade na primeira fase do projeto. O Pirma prevê flexibilidade para remanejamento de rotas, datas e horários dos voos”, relatou.

As viagens são oferecidas em aviões de pequeno porte, modelo Cessna Grand Caravan 208 B, homologados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para o transporte de até nove passageiros. O serviço é prestado por uma empresa de táxi aéreo vencedora da licitação realizada pela Codemig. O valor dos bilhetes, que são adquiridos somente pela internet, varia de R$ 150 a R$ 500, dependendo da rota.

“Em uma segunda etapa, confirmada a sustentabilidade técnica e econômica do projeto, poderão ser incluídas novas localidades e ampliada a frequência dos voos”, diz a Codemig.

Fonte: Jorge Mourão / Diário de Araxá

Notícias relacionadas

1 Comentário

  1. renato

    Araxá já ficou de fora do circuito do turismo. Daqui a pouco para chegar em araxá somente de bicicleta. Araxá cada vez mais isolada do mundo. Achando que CBMM que é a cidade bizarro

    Responder

Deixe um comentário: