Araxá tem quatro casos de dengue confirmados e 40 notificações

Araxá tem quatro casos de dengue confirmados e 40 notificações

Da Redação – 07/02/2011 – Um laudo divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde nesta segunda-feira (7) apontou mais casos confirmados de dengue em Araxá em 2011. Até o momento são quatro casos registrados e 40 notificações feitas nas Unidades de Saúde (Unis), Programas da Saúde da Família (PSFs) e Pronto Atendimento Municipal (PAM). O número é considerado baixo pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), mas já está próximo ao registrado no mesmo período do ano passado, quando foram confirmados seis casos de dengue até o Carnaval. Ao todo, foram confirmados 189 casos de doença e 523 notificações em 2010, o maior índice dos últimos anos registrado no município.

Na tentativa de diminuir a quantidade de casos confirmados e notificações, o município disponibilizou cerca de 200 agentes de saúde para auxiliar os moradores na eliminação dos focos do Aedes aegypti, mosquito transmissor, e orientam sobre como prevenir a doença.

Nos últimos dois meses, mutirões de combate à dengue realizaram uma varredura em áreas e bairros considerados de risco, eliminando focos do mosquito e recolhendo todos os materiais propícios à disseminação da doença. Para dar o suporte necessário aos municípios, o governador Antonio Anastasia sancionou uma lei que regulamenta as medidas adotadas pelo governo estadual no combate à doença.

A lei responsabiliza qualquer pessoa, seja física ou jurídica, pública ou privada, que desenvolva atividades que resultem em acúmulo de material ou em outra condição propícia à proliferação do mosquito transmissor da dengue. De acordo com a legislação, permitir a existência de focos do Aedes aegypti é uma infração sanitária que está sujeita a pena educativa e multa.

Permitir que materiais que acumulam água fiquem expostos às condições climáticas ou deixar de adotar medidas de controle que impeçam a existência dos focos são condições sujeitas à aplicação da lei. Não deixar que o agente de saúde visite o interior dos imóveis também é um exemplo de atitude passível de penalidade.

O secretário municipal de Saúde, Antônio Marcos Belo, destaca que o bairro Alvorada é a região que mais preocupa o município. “Até o momento temos registrados casos da doença nas regiões Norte e Sul, no Presídio Regional e no bairro Alvorada. A região do Alvorada é preocupante e pedimos o apoio da comunidade para evitar que novos casos aconteça. Sem a conscientização da população sobre a importância da prevenção nós não vamos conseguir reduzir o número de casos registrados”,afirma.

“Fizemos mutirões em todas as região da cidade, estamos com cerca de 200 agentes de combate ao mosquito espalhados pelo município e estamos programando outras ações de prevenção, mas o apoio da população é fundamental”, ressalta o secretário.

De acordo com Antônio Belo, os casos de dengue tendem a aumentar após as festividades do Carnaval. “Nós primeiros dois meses de 2010 tínhamos apenas seis casos confirmados da doença e depois das comemorações de Carnaval este número aumento muito no município, assim como em todo o Estado. Por isso, temos que orientar as pessoas que visitam a nossa cidade, pois a dengue não tem fronteiras. A migração de casos, principalmente de Uberaba no caso de Araxá, é muito grande. Até que seja feito todo o trabalho de combate ao mosquito, a doença espalhou e chegamos a 189 casos confirmados”, aponta.

“Para evitar um índice tão grande, várias ações foram realizadas, mas temos que ficar atentos. Quando acontece uma chuva, as pessoas não lembram de conferir eventuais focos. Às vezes, o mutirão passou na região, mas com uma simples chuva uma garrafa pet jogada no terreiro, um vasilhame, um local de alimentação de animais, enfim, tudo aquilo que acumula água será um local de proliferação do mosquito. Por isso, a importância de alertar a comunidade para o combate diário ao mosquito”, acrescenta o secretário.

Prevenção

A Secretaria de Estado de Saúde orienta a população a adotarem hábitos fundamentais para o combate a doença.

– Lavar os utensílios usados para guardar água em casa, como jarras, garrafas, potes, baldes, dentre outros, principalmente por dentro com escova e sabão.

-Não deixar água acumulada sobre a laje.

– Manter a caixa d´água, tonéis e barris completamente fechados.

-Eliminar ou encher de areia, até a borda, os pratinhos dos vasos de plantas.

– Trocar a água e lavar o vaso de plantas aquáticas com sabão pelo menos uma vez por semana.

– Lavar os tanques utilizados para armazenar água.

– Remover folhas, galhos e tudo que possa impedir a água de correr pelas calhas.

– Jogar no lixo todo objeto que possa acumular água, como embalagens usadas, potes, latas, copos e garrafas vazias.

– Colocar o lixo em sacos plásticos e manter a lixeira bem fechada (não jogue lixo em terrenos baldios) e manter o saco de lixo bem fechado e fora do alcance dos animais até o recolhimento pelo serviço de limpeza urbana.

Notícias relacionadas