Super banner

Caminhoneiros intensificam bloqueio de rodovias federais em seis Estados

Caminhoneiros intensificam bloqueio de rodovias federais em seis Estados

As manifestações de caminhoneiros foram intensificadas na manhã desta terça-feira (24), segundo o mais recente balanço divulgado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Motoristas enfrentam dificuldades para atravessar 69 pontos de 24 rodovias federais em seis estados. Ontem (23) à noite, eram 64 trechos bloqueados em 23 estradas federais.

Os dois sentidos da pista estão bloqueados em 66 trechos interditados por caminhoneiros que protestam contra o aumento no preço dos combustíveis e os baixos valores dos fretes desde a semana passada.

Os Estados mais prejudicados são Santa Catarina, com 17 trechos bloqueados, o Rio Grande do Sul, com 15 pontos interditados, e Paraná, com 14 bloqueios. As rodovias de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais tiveram aumento no número de interdições causadas pelos caminhoneiros.

Em Minas Gerais, há bloqueio total das pistas de trechos das BRs-262, 381 e 40. Em Mato Grosso, os manifestantes estão em pontos das BRs- 070, 163 e 364. Em Mato Grosso do Sul, há bloqueios em trechos das BRs- 262, 381 e 40.

A PRF informou que tem negociado com os manifestantes para liberar a passagem de veículos, principalmente ambulâncias, carros de passeio e de transporte de passageiros.

Ontem, a Advocacia-Geral da União (AGU) decidiu entrar na Justiça Federal com pedido de liberação das rodovias bloqueadas. De acordo com a AGU, a medida tem o apoio do Ministério da Justiça, por meio da Polícia Rodoviária Federal e da Força Nacional. Até o momento, segundo o órgão, ainda não houve decisão da Justiça.

Segundo a AGU, as ações foram ajuizadas nos Estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. O órgão informa ainda que pediu autorização da Justiça para que o Poder Público possa adotar “as medidas necessárias para garantir a circulação nas pistas e a fixação de multa de R$ 100 mil para cada hora que os manifestantes se recusarem a liberar o tráfego”.

Nas ações, as procuradorias regionais da União argumentam que “os bloqueios aumentam os riscos de acidentes e ameaçam a segurança de todos que precisam utilizar as rodovias, além de provocar graves prejuízos econômicos ao impedir que cargas, muitas delas perecíveis ou perigosas, cheguem ao destino”.

Notícias relacionadas