Campanha da Fraternidade e o Saneamento Básico deficitário de Araxá

Campanha da Fraternidade e o Saneamento Básico deficitário de Araxá

Nesta semana venho falar sobre a Campanha da Fraternidade de 2016, com o tema “Casa Comum, Nossa Responsabilidade”. Nada sobre a religião ou sobre a igreja católica, mas sobre o tema importantíssimo que foi levantado nesse ano e que atinge diretamente cerca de 100 MILHÕES de brasileiros que hoje vivem sem Saneamento Básico, portanto sem coleta e tratamento de esgoto, coleta do lixo e material reciclável, entre outros serviços que são dever do poder público. Esses citados são diretamente deveres dos municípios, e que afetam a qualidade de vida de alguns milhares de araxaenses. Regionalizando os números, especificamente em Araxá, a Campanha precisará ter sim o engajamento da Prefeitura Municipal para melhorar a qualidade de vida do seu povo.

Primeiro vamos falar sobre o tratamento de esgoto que é uma vergonha na cidade. Dados do Ministério das Cidades revelam que até 2013, ano da última atualização dos números, apenas 78,60% do esgoto era tratado em Araxá. Houve um salto na porcentagem, se comparado à  2012 quando o tratamento do esgoto era de apenas 20,97%. Essa melhoria ocorreu após o ex-prefeito Jeová Moreira ameaçar encerrar o contrato com a Copasa, caso ela não melhorasse o serviço em Araxá. Certamente, os números de 2015 são melhores que os de 2013, mas muitas famílias ainda vivem sem a coleta digna de esgoto de suas casas e elas não só merecem essa atenção e cuidado, mas como tem direito a esse serviço. Hoje, o cidadão paga pela água que utiliza e praticamente o mesmo valor pelo tratamento do esgoto, ou seja, o contribuinte faz a sua parte, mas a Copasa ainda não consegue coletar e tratar 100% do esgoto produzido em Araxá. Cobra por um serviço que não é feito totalmente. Uma vergonha!

Agora vamos ao trabalho da coleta de lixo. No Centro da cidade e nos bairros mais antigos, o sistema funciona de forma praticamente diária. Ótimo! Maaaasss… Nos bairros mais novos, infelizmente o serviço é um vexame. É claro que o número de moradores é bem menor, se comparado com os outros bairros, mas não existe frequência no serviço que não precisa ser diário, mas pelo menos a cada dois ou três dias, mas isto, não acontece. Moradores mais conscientes armazenam o lixo nos sacos plásticos em suas residências, até o caminhão de lixo dar o ar da graça. Outros moradores, muito mal educados, colocam o lixo na porta de suas residências e não se importam com os cachorros soltos nas ruas (outro problema) que podem esparramar o lixo que não é varrido (porque não existem varredores de ruas em bairros novos, ou seja, outro problema), com as chuvas, há acúmulo de água nos sacos que podem proliferar o mosquito Aedes aegypti (outro problema). São inúmeros os problemas que são causados pela ineficiência da coleta do lixo orgânico nos bairros novos de Araxá.

Fico até com vergonha, mas não tem como não falar da coleta de material reciclável. Nos bairros antigos e no centro, até que funciona, já foi melhor, mas ainda quebra um galho. Porém, o serviço de coleta seletiva simplesmente não existe nos novos bairros e aqueles moradores conscientes que separam o material reciclável só têm duas opções: ou ele leva para a casa de algum parente onde a coleta seletiva é feita, ou ele mistura lixo orgânico com lixo reciclável e manda tudo pro Aterro Sanitário, causando outros inúmeros problemas como a redução da vida útil do Aterro, que deveria receber somente lixo orgânico.

Ufa! Quantos problemas, não é verdade? É claro que a resolução dos problemas do mundo, começa na nossa casa com a educação dos filhos, com o cuidado com a água, na separação do lixo e do reciclável entre outros deveres do cidadão, mas pouco vai resolver se o Poder Público não arregaçar as mangas, parar de pensar em grandes obras e começar a pensar no bem estar e na saúde do seu povo. Chega de prioridades políticas, vamos às prioridades da população. Existe um dito no meio político de que obra debaixo da terra (portanto tratamento de esgoto) não ganha votos, mas nosso prefeito, vice-prefeita e vereadores, precisam pensar mais no futuro da cidade (porque foi para isso que foram eleitos) e pensar menos no seu futuro político. Carreira política não é profissão é missão, e quando não se pensa assim, somente os interesses particulares são atendidos e os interesses do povo, sequer são ouvidos.

É com o lema da Campanha da Fraternidade que encerro minha coluna de hoje: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca”.

 

* As informações destacadas sobre a coleta e tratamento de esgoto podem ser consultadas neste link: http://www.deepask.com/goes?page=araxa/MG-Indice-de-tratamento-de-esgoto:-Veja-o-percentual-tratado-em-relacao-ao-total-coletado-na-sua-cidade .

Notícias relacionadas

Deixe um comentário: