CBMM confirma contração direta da Arquetipo por indicação da prefeitura

CBMM confirma contração direta da Arquetipo por indicação da prefeitura

Antônio Gilberto Ribeiro de Castro, diretor Administrativo da CBMM - Foto: Jorge Mourão

Da Redação/Jorge Mourão – Dois representantes da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM)prestaram depoimentos à Comissão Processante (CP) da Câmara Municipal, composta pelos vereadores Marco Antonio Rios (presidente/PSDB), Lídia Jordão (relatora/PP) e Garrado (PR), que apura denúncia de irregularidades nas obras de revitalização da Antônio Carlos e construções do Centro Administrativo e da hemodinâmica da Santa Casa, na manhã desta sexta-feira (28).

A primeira oitiva foi realizada com o diretor Administrativo da mineradora, Antônio Gilberto Ribeiro de Castro, que confirmou a contratação direta da Arquetipo Jateamento por R$ 2,6 milhões para a fabricação e instalação da estrutura metálica do futuro Teatro Municipal na Praça Coronel Adolpho – revitalização da avenida Antônio Carlos.

Segundo ele, a prefeitura apresentou o projeto e o orçamento do teatro e indicou a Arquetipo para a execução da obra. “Como a CBMM tinha o compromisso de contribuir com um centro cultural, discutimos o orçamento, inicialmente foi apresentado o valor de R$ 2,8 milhões e a negociação ficou fechada em R$ 2,6 milhões. Depois disso o contrato foi assinado e esse valor foi repassado diretamente para a Arquetipo, que tem know-how em estruturas metálicas”, explica Gilberto.

O diretor diz que essa prática de a prefeitura fazer a indicação para investimento em obras é uma prática comum e já aconteceu por diversas vezes, inclusive em gestões anteriores.

“É uma rotina para nós. Quando a prefeitura quer fazer uma obra, ela nos pede essa obra e, às vezes até para agilizar, a gente contrata diretamente e depois faz a doação da obra para a prefeitura. Não é a primeira vez que isso acontece. Foram várias gestões que foram feitas obras nesta situação. Ela (prefeitura) apresenta, a CBMM avalia, lógico que não vamos colocar na mão de uma empresa um valor sem que a gente tenha conhecimento que aquele valor é o ideal para a obra. É isso que nós fazemos e essa é a política nossa, “acrescenta o diretor. Outro assunto levantado foi a solicitação da prefeitura, responsável pela fiscalização da obra, do aditamento do prazo do contrato.

Oitiva com o diretor Administrativo da CBMM - Foto: Jorge Mourão

Gilberto comparou a contratação da obra do teatro com a duplicação e recuperação das avenidas João Moreira Sales e Nívea Maria Neumann, que também foi solicitada pela prefeitura, a CBMM contratou a Vecol Terraplanagem e Pavimentação (também indicada pela prefeitura) para fazer o serviço e após a conclusão as duas obras serão doadas ao município.

Além desse modelo de parceria público-privada, o diretor explica que outras formas de investimentos em benefício à comunidade promovidas pela companhia são o de aporte financeiro direto para alguma entidade ou órgão público ou a doação de equipamentos adquiridos pela mineradora.

Além do Teatro Municipal, Gilberto ressaltou que a CBMM é parceira no projeto de implantação de rede elétrica subterrânea na revitalização da Antônio Carlos. “Neste caso, participamos com 25% do orçamento (R$ 1 milhão dos R$ 4 milhões orçados). Só que este valor foi doado diretamente para a prefeitura já que nenhuma contratação foi feita ainda; parece que isto está sendo feito com a Cemig”, diz.

Durante a oitiva, diretor entregou ao presidente da CP a documentação de contratação da Arquetipo. Em suas considerações finais após esclarecimentos aos questionamentos, o diretor destacou que o fato de o repasse de R$ 2,6 milhões feito à Arquetipo estar sendo contestada pela Câmara não vai mudar a política de investimentos da CBMM no município.

“Sem dúvida este fato não vai e não impedir que a empresa continue vendo obras e melhorias que possam beneficiar a comunidade de Araxá. Estamos aqui, prestamos todos os esclarecimentos e entendemos que independente de toda essa polêmica a empresa deve e vai continuar fazendo essas obras.”

Segundo depoente

Clério Ribeiro de Rezende Filho, gerente de Controladoria da CBMM - Foto: Jorge Mourão

Após o depoimento do diretor Administrativo, a CP ouviu o gerente de Controladoria da CBMM, Clério Ribeiro de Rezende Filho. Em resposta aos questionamentos, ele afirmou que não tinha conhecimento da denúncia do professor Anderson Alves Costa, mas que já tinha ouvido falar dos fatos. O gerente também disse que não sabe as razões da prefeitura ter feito a indicação da Arquetipo à CBMM. Disse ainda que em nenhum momento teve envolvimento com a indicação.

Notícias relacionadas