Cenário de abandono começa a tomar conta do Barreiro

Cenário de abandono começa a tomar conta do Barreiro

Pouco a pouco o cenário do Barreiro vai mudando com a saída dos moradores. Casas são derrubadas e desmanchadas parcialmente por quem deixa o local levando janelas, portas e o que mais conseguir. Segundo a Associação dos Moradores, aproximadamente 30 famílias já saíram; 90 ainda negociam os imóveis e 25 não pretendem ir embora do Barreiro. Na próxima segunda-feira (18), representantes da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig) estarão em Araxá para negociar com mais uma parte de moradores.

“A situação hoje é que cerca de trinta famílias já negociaram, outra parte ficou para negociar na semana que vem e a gente espera que a Codemig encontre um rumo certo para essas negociações, porque há avaliações que deu um preço ´x´ e outras um preço diferenciado. Tem imóveis com 70 metros quadrados que foi pago R$ 80 mil e outros, bem melhores, com 138 metros quadrados de área construída que foi pago R$ 72 mil”, diz o presidente da Associação dos Moradores do Barreiro, Gilson Baltazar dos Santos.

Segundo ele, a intenção é buscar um acordo formal com a estatal através de um advogado para que nada vá à Justiça e a situação seja resolvida de forma tranquila. “Esperamos um parâmetro melhor para essas avaliações porque há erros e eles estão notáveis”, afirma.

O presidente destaca que a maioria dos moradores que deixaram o Barreiro já conseguiu comprar a casa própria em outros locais da cidade.

“Mas tem outros que estão passando aperto, querem uma casa melhor e estão esperando o restante do dinheiro para comprar ou quitar suas casas. Tem famílias que saíram (do Barreiro), com R$ 30 mil, o que é um absurdo, não deveriam ter saído, e são essas pessoas que me preocupam.”

As famílias que pretendem receber uma indenização melhor para deixarem o local vão esperar por uma negociação melhor, segundo Gilson. Ele afirma que a situação das famílias que desejam ficar no Barreiro ainda está indefinida.

Notícias relacionadas