???Com camisinha, beijo me liga! Sem camisinha, beijo me esquece???

???Com camisinha, beijo me liga! Sem camisinha, beijo me esquece???

Para ajudar a população a aproveitar o Carnaval, mas sem descuidar da saúde, a Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG) promove uma campanha especial de prevenção contra a Aids. Com o slogan “Com camisinha, beijo me liga! Sem camisinha, beijo me esquece”, as ações se estendem até o dia 16, com objetivo de conscientizar o adulto jovem, de ambos os sexos, para a importância do uso da camisinha.

Durante os dias de festa serão distribuídos cerca de 500 mil preservativos e 300 mil leques com o slogan da campanha. O material foi encaminhado para as 28 Gerências Regionais de Saúde (GRS), que fazem a distribuição para os municípios. Outra estratégia de conscientização utilizada pela SES acontece nas rádios mineiras. Inserções educativas farão parte da programação durante todo o período de carnaval.

De acordo com a coordenadora Estadual de DST/Aids, Glauciene Prado Alves, essas ações são fundamentais para o combate à doença, visto que no período as pessoas estão bastante expostas.

“Trata-se de uma época em que as pessoas têm mais contato físico, abusam da bebida alcoólica e, muitas vezes, acabam não se lembrando da camisinha. É por isso que reforçamos a necessidade de a população se precaver também no decorrer da folia”, destacou.

Além de divulgação nas rádios, a importância da prevenção também será divulgada em sites e no twiter da SES – @saudemg

Aids em Minas

De acordo com dados parciais, desde o início da epidemia, em 1982, até 2009, foram notificados 31.138 casos da doença no Estado. As grandes cidades concentram o maior número de notificações, mas percebe-se a tendência à interiorização da Aids, com mais localidades apresentando casos.

Em 2004, 586 municípios tiveram registros; hoje, já são 649. Por esse motivo a SES está promovendo a descentralização da assistência e das ações de prevenção.

O crescimento da incidência da doença entre o sexo feminino é outra questão a ser considerada. De 1982 a 1993, a Aids atingia 83% dos homens e apenas 17% das mulheres. Já em 2006, 63,7 dos infectados foram do sexo masculino, e 36,3%, do feminino. O número de mulheres com o vírus aumenta, a cada ano, diminuindo a proporção entre os sexos.

Entre jovens e adolescentes de 13 a 19 anos, desde o primeiro diagnóstico em 1982 até o último ano são 691 casos, sendo 381 masculinos e 310 femininos, segundo dados parciais.

Atualmente, a principal categoria de transmissão entre adultos é heterossexual, responsável por mais de 2/3 das contaminações. A situação é bem diferente da encontrada no início da epidemia, quando a maior parte das transmissões ocorria por meio de relações homossexuais. Isso demonstra que a Aids não é uma questão restrita a alguns grupos, mas sim, um problema de todos.

Notícias relacionadas