Começa neste sábado a 23ª edição do Encontro Sesi de Artes Cênicas

Começa neste sábado a 23ª edição do Encontro Sesi de Artes Cênicas

Araxá se prepara para receber nova edição do Encontro Sesi de Artes Cênicas. Realizado pelo Sesi Minas desde 1990, o evento apresentará, em 2013, o tema “Arte que transforma o mundo, mundo que transforma a arte”. Nesta 23ª edição, entre os dias 26 de outubro e 1º de novembro, o Encontro contará com 29 atrações, entre espetáculos de palco e rua, oficinas, intervenções e shows. 

O público poderá conferir a programação no Teatro Sesi Araxá, na Fundação Cultural Calmon Barreto e na Praça do Teatro Municipal. Todas as apresentações são gratuitas. O 23º Encontro Sesi de Artes Cênicas é uma realização do Sistema Fiemg por meio do Sesi MG, com patrocínio da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e apoio cultural da Prefeitura Municipal de Araxá, Fundação Cultural Calmon Barreto, Localiza e TV Integração, com produção da Cuia Cultural.

Sobre a temática que norteou a escolha das atrações deste ano, o curador Juarez Guimarães Dias explica que os espetáculos selecionados apresentam caráter transformador, seja por questionar aspectos da vida em sociedade ou por estimular novas visões de mundo, do espaço urbano, do ser humano e da própria arte teatral. “A 23ª edição do Festival apresenta variedade de estilos, formas, matérias e temas que marcam nosso tempo, pois a arte é uma das formas de interpretação e transformação da sociedade. Desse modo, as práticas artísticas reforçam ou criticam situações e valores vigentes, o que confere às obras um caráter de intervenção, em direção a uma coletividade mais humana, cidadã e consciente da realidade”, destaca.

Com foco na ideia de transformação, o evento apresenta mudanças em 2013. A abertura, cuja atração, geralmente, conta com espetáculos de teatro, apresenta, dessa vez, um show musical. Trata-se do espetáculo “Música de Brinquedo”, interpretado pela banda mineira Pato Fu. Entre os grupos teatrais – que ressaltam ainda mais o ato de transformar –, o Grupo Primeiro Ato promove “Pequenos atos de rua” e Espanca! discute o ofício do teatro em “O líquido tátil”. Já “O homem travesseiro”, com Tonico Pereira, aborda a história de um escritor acusado de transformar suas narrativas em realidade. A Casa do Beco, com “O morro do pássaro falante” trata dos conflitos numa comunidade. Dentre outras tantas atrações, há, ainda, a artista plástica e performer Paola Rettore, que, com suas roupas-esculturas, transforma os espaços por onde passa.

Formação de público

Há 23 anos ininterruptos em cena, o Encontro de Artes Cênicas reafirma o Sesi como promotor de cultura e formador de público. Desse modo, também se investe em acessibilidade ao cenário artístico nacional. “Temos o compromisso de levar a cultura, em todas as suas formas, para a sociedade. Em parceria com a CBMM, que participa do projeto desde o início, a indústria possibilita – não apenas aos industriários e suas famílias, mas a toda a comunidade da região – a oportunidade de viver e respirar as expressões culturais de forma integral”, destaca o gerente de cultura do Sesi MG, Thiago Maia, ao ressaltar, ainda, a importância do evento como espaço catalisador de novos talentos. “O 23º Encontro Sesi de Artes Cênicas apresenta grupos e artistas que participaram de outras edições como espectadores e, hoje, voltam como expoentes artísticos. Isso revela os efeitos gerados, a partir da iniciativa, na comunidade”, completa.

À sociedade araxaense, o Encontro Sesi de Artes Cênicas tem proporcionado, há mais de duas décadas, a experiência de fruição e produção de obras artísticas cênicas (teatro, dança, circo e música) que exercem influência sobre modos de perceber e compreender a sua realidade. Ao mesmo tempo, potencializa o desenvolvimento artístico da cidade, oferecendo a seus agentes culturais a oportunidade de contato com o que se tem produzido nos grandes centros urbanos. Além disso, o Encontro afirma a convicção de “Mens sana in corpore sano”, ou “Uma mente sã num corpo são”, pois estimula melhor qualidade de vida e de trabalho dos funcionários e colaboradores da indústria, do Sistema FIEMG/ SESI/ SENAI e dos habitantes de Araxá e região.

PROGRAMAÇÃO

 

Data

 

Horário

 

Atividade

 

Grupo

 

Local

26/out

10h

 

Conferência: “Arte que transforma o mundo/ Mundo que transforma a Arte”

Prof. Mara Greide de Carvalho

Unidade SESI Araxá

20h

 

Sessão solene de abertura para convidados (Convite Especial) com o espetáculo “Música de brinquedo”

Pato Fu

Teatro SESI Araxá

27/out

19h30

 

“Subo para não esquecer o que de baixo já não consigo ver”,

Carabina Cultural

Concentração em frente à Igreja da Matriz

20h

“Sem limites pra sonhar”

 

“Sem limites pra sonhar”

21h30

“Música de brinquedo”

Pato Fu

Fundação Cultural Calmon Barreto

28/Out

17h

 

“O morro do pássaro falante”

 

Casa do Beco 

 

Praça do Teatro Municipal

20h

 

“Corpo de Baile”

Sesi Uberlândia

Fundação Cultural Calmon Barreto

21h

 

“O cachorro de três pernas”

 

Cia. Uno

 

Teatro SESI Araxá

21h

 

“Dolores 602”

 

 

Fundação Cultural Calmon Barreto

29/Out

9h30 e 15h30

“O menino azul”

Grupo Matraca

Teatro SESI Araxá

 

20h

“Gerais de salão”

Araxá Dance Company Dança Comunidade

Fundação Cultural Calmon Barreto

 

 

21h

“Ludy Rocha”

 

Fundação Cultural Calmon Barreto

 

 

30/Out

17h

“Pequenos atos de rua”

Grupo Primeiro Ato

Praça do Teatro Municipal

20h

“Grupo de Dança”

SESI Araxá

Fundação Cultural Calmon Barreto

20h

 

“O homem travesseiro”

Com Tonico Pereira, Ricardo Blat, Miguel Thiré e Bruce Gomlevsky

Teatro SESI Araxá

21h

“Tarcísio Moura Blues e Afins”

 

Fundação Cultural Calmon Barreto

31/Out

9h30, 15h30 e 20h30

 

“O ano em que virei adulto”

ZAP 18

Teatro SESI Araxá

20h

 

“Dialética Baiana”

 

Fundação Cultural Calmon Barreto

21h

 

“Baile Black Soul”

DJ Black Josie

Fundação Cultural Calmon Barreto

01/Nov

17h

 

“Fábulas errantes”

Cine Horto Pé na Rua

 

 

Praça do Teatro Municipal

 

 

20h

 

“Pedro Morais”

 

Fundação Cultural Calmon Barreto

21h

“O líquido tátil”

Grupo Espanca!

Teatro SESI Araxá

22h

Show de encerramento: “Road Runner”

 

Fundação Cultural Calmon Barreto

 

ABERTURA

 CONFERÊNCIA

Arte que transforma o mundo/ Mundo que transforma a Arte

Prof. Mara Greide de Carvalho

A conferência, voltada para educadores, artistas e interessados, tem como principal objetivo discutir os processos de relação entre Arte, Sociedade e Educação na formação intercultural. Por meio da exposição de alguns conceitos, serão explorados e discutidos caminhos e tendências fundamentais para construção de um contexto educacional que utilize de forma eficiente os repertórios artísticos disponibilizados socialmente e culturalmente. Pretende-se dialogar com os participantes e compreender a educação intercultural como o mecanismo necessário para articulação entre Arte e Sociedade e para uma formação humanística e cidadã.

26 DE OUTUBRO, SÁBADO, 10h, UNIDADE SESI ARAXÁ

Entrada franca sujeita à lotação do espaço

ESPETÁCULO

Música de brinquedo

Pato Fu

Transformar brinquedos em música é a proposta do espetáculo da consagrada banda Pato Fu, que mais uma vez quebra regras e tabus e segue o caminho de criações autorais independente de estilos e ritmos. No repertório, o público vai encontrar canções conhecidas como “Todos estão surdos” (Roberto Carlos), “Ovelha negra” (Rita Lee), “Love me tender” (Elvis Presley), “My Girl” (The Temptations), “Primavera” (Tim Maia) e “Sonífera Ilha” (Titãs), que ganham novos coloridos sonoros com os instrumentos de brinquedo ou miniaturas, num show que assinala a criatividade e a delicadeza do grupo mineiro.

Músicos: Fernanda Takai, John Ulhoa, Ricardo Koctus, Xande Tamietti e Lulu Camargo

Duração: 60 min.

Classificação indicativa: Livre

26 DE OUTUBRO, SÁBADO, 20h, TEATRO SESI ARAXÁ (Sessão especial para convidados)

27 DE OUTUBRO, DOMINGO, 21h30, FUNDAÇÃO CULTURAL CALMON BARRETO (Entrada franca)

 ESPETÁCULOS DE PALCO

O cachorro de três pernas

Cia. Uno

A peça marca o encontro entre Rafa e Rufo, dois palhaços aposentados dos picadeiros, numa clínica de repouso. Entre lamentos da vida, doenças e crises da experiência vivida, os personagens constroem diálogos tragicômicos. Nos solitários bancos da clínica, recordam os tempos na lona do circo e, em meio a exames, remédios e lembranças, surge a história de um cachorro de três pernas. A Cia Uno foi criada em 2007 em Uberaba (MG) pelos artistas Mayron Engel e Rodrigo Chagas a partir do desejo de conciliar experiências em teatro e circo.

Texto: Eid Ribeiro

Direção e Preparação corporal: Fábio Furtado

Elenco: Luiz Hozumi, Mayron Engel e Rodrigo Chagas

Cenografia e Figurino: Fábio Furtado

Iluminação Cênica: Alexandre Galvão e Diógenes Marques

Pesquisa de trilha sonora: Fábio Furtado e Cia. Uno

Duração: 65 min.

Classificação indicativa: maiores de 10 anos.

28 DE OUTUBRO, SEGUNDA, 21h

TEATRO SESI ARAXÁ

Ingressos distribuídos 30 min. antes da apresentação

O menino azul

Grupo Matraca Teatro de Bonecos

Era uma vez dois artistas que queriam brincar de contar histórias com seus bonecos e objetos. Era uma vez um menino azul chamado Francisco, um menino de um azul nunca visto, um menino diferente que nasceu no alto, bem no alto de uma montanha. Essa é a história de Francisco, de seu amor pelo riacho e pelos bichos que alegravam a sua vida. O Grupo Matraca Teatro de Bonecos foi criado em 1998, em Belo Horizonte, pelos artistas graduados pela Escola de Belas Artes da UFMG, Cauê Salles e Juliana Palhares.

Dramaturgia: criação coletiva a partir de texto de Juliana Palhares

Direção: Rodrigo Robleño

Assistência de Direção: Débora Mazochi

Atores/Manipuladores: Cauê Salles e Juliana Palhares

Cenário: Juliana Palhares

Figurino: Gabriela Demarco/Elvira Matilde e Juliana Palhares

Bonecos: Cauê Salles

Iluminação: Tainá Rosa e José Reis

Sonoplastia: Rogério Alves

Duração: 40 min.

Classificação indicativa: crianças a partir de 1 ano

29 DE OUTUBRO, TERÇA, às 9h30 e às 15h30

TEATRO SESI ARAXÁ

Ingressos distribuídos 30 min. antes da apresentação

O homem travesseiro

Cia Teatro Esplendor (RJ)

A peça narra, com suspense e agilidade, os últimos momentos de vida de Katurian, um escritor que vive num país fictício, governado por um regime ditatorial e autoritário. Katurian é preso e interrogado por dois perigosos detetives, devido ao conteúdo intrigante e avassalador de seus contos e a semelhança deles com uma série de bizarros assassinatos de crianças. O espetáculo foi considerado o melhor de 2012 em cartaz pela Revista Veja, além de indicações ao Prêmio Shell e vencedor de 3 Prêmios APTR. A Cia Teatro Esplendor, criada em 2010, leva à cena textos teatrais de reconhecida qualidade artística e uma linguagem centrada no trabalho dos atores.

Texto: Martin McDonagh

Direção: Bruce Gomlevsky

Elenco: Tonico Pereira, Bruce Gomlevsky, Ricardo Blat, Miguel Thiré e Glauce Guima

Luz: Luiz Paulo Nenen

Figurino: Rita Murtinho

Trilha Sonora Original: Borut Krzisnik

Duração: 150 min, com intervalo

Classificação indicativa: maiores de 16 anos.

30 DE OUTUBRO, QUARTA, 20h

TEATRO SESI ARAXÁ

Ingressos distribuídos 30 min. antes da apresentação

O ano em que virei adulto

ZAP 18

A saga de Dominic para se transformar em um jogador de beisebol é o enredo que conduz a história deste espetáculo. Os sonhos do rapaz na virada dos seus dezoito anos – idade decisiva na vida – são o que conduzem a narrativa do livro “1933 foi um ano ruim” de John Fante, no qual o espetáculo se inspira. À riqueza e a agilidade das linhas do escritor se juntam as histórias pessoais do ator em cena, Gustavo Falabella Rocha, que também já teve seus sonhos: quis ser jogador de futebol, foi apaixonado por uma garota que não o correspondia e outras várias pequenas facetas e histórias que são comuns a quase todos no processo de se tornar adulto. A ZAP 18 – Zona de Arte da Periferia, de Belo Horizonte, é um espaço artístico-cultural que realiza montagens de espetáculos e formação continuada de atores e educação de jovens através da arte.

Atuação: Gustavo Falabella Rocha

Direção: Cida Falabella

Dramaturgia: Cida Falabella e Gustavo Falabella Rocha

Colaboração: Juarez Guimarães Dias e Thiago Pereira

Trilha sonora: Thiago Pereira

Figurino: Luna Falabella

Imagens: André Veloso

Cenário: Gustavo Falabella Rocha

Iluminação: Tainá Rosa e José Reis

Duração: 50 min

Classificação indicativa: maiores de 14 anos.

31 DE OUTUBRO, QUINTA, às 9h30, às 15h30 e às 20h30

TEATRO SESI ARAXÁ

Ingressos distribuídos 30 min. antes da apresentação

O líquido tátil

espanca!

O espetáculo parte da situação de um núcleo familiar, onde os personagens dialogam sobre as artes, o ato teatral e os desejos inconscientes que perseguem os seres humanos. O trabalho é resultado do encontro entre o grupo e o diretor e dramaturgo argentino Daniel Veronese. O espanca! tem sua sede em Belo Horizonte, foi fundado em 2004 e trabalhos ancorados na busca por uma arte contemporânea que reavalie ética e conceitualmente sua linguagem, sendo reconhecido como um dos principais grupos da nova geração do teatro brasileiro.

Texto e Direção: Daniel Veronese

Elenco: Grace Passô, Gustavo Bones e Marcelo Castro

Tradução do texto: Gustavo Bones

Concepção de Cenografia, Luz, Vídeo e Trilha Sonora: Daniel Veronese

Figurino: espanca!

Iluminação: Edimar Pinto

Edição de Vídeo: Fábio Gruppi

Duração: 50 min

Classificação indicativa: maiores de 14 anos.

1º DE NOVEMBRO, SEXTA, 21h

TEATRO SESI ARAXÁ

Ingressos distribuídos 30 min. antes da apresentação

 ESPETÁCULOS DE RUA

Subo para não esquecer o que de baixo já não consigo ver

Carabina Cultural

O espetáculo é um cortejo cênico que mistura atores, referências circenses e projeções audiovisuais e aborda temas caros à humanidade, como a falta de tolerância, o fundamentalismo religioso, a busca de um poder artificial que esconde nossas fragilidades mais íntimas. Traça um retrato da modernidade e dos processos históricos que foram nos moldando em seres humanos aprisionados, solitários e frágeis, frente a um mundo que desconhecemos. A Carabina Cultural tem ampla experiência de produção de eventos artísticos e culturais, no Brasil e no exterior, e realizou importantes montagens teatrais, além da execução de mais de vinte projetos audiovisuais (curtas, longas, documentários).

Criação e Direção: Carlos Canela

Elenco: Diego Santos, Fábio Schmidt, Fernanda Flores, Frederico Alves, Lissandra Guimarães, Pablo Barcelos, Ricardo Righi e Suzana Markus

Direção de Arte e Figurinos: Ricca

Trilha Sonora Original: Sérgio Pererê

Concepção Técnica: Bruno Cerezoli

Vídeos: Carabina Filmes

Direção de Produção: Cris Gil

Duração: 70 min

Classificação indicativa: Livre

27 DE OUTUBRO, DOMINGO, 19h30

IGREJA DA MATRIZ*

*O cortejo tem início em frente à Igreja da Matriz, Centro

O morro do pássaro falante

Casa do Beco

O espetáculo é resultado da oficina “Gerações” e retrata a iniciativa de uma trupe de crianças que ensaia a apresentação de uma peça teatral, propondo aos adultos questionarem a intolerância na solução de conflitos. Uma fruta qualquer que cai insistentemente na casa de uma vizinha, quebrando telhas e sujando o quintal; a má utilização do espaço e o acúmulo de lixo; as eternas fofocas, objeto de distanciamento das pessoas; a violência doméstica, entre outros conflitos do dia-a-dia de uma comunidade e a necessidade de uma reflexão sobre mediação de ações reais foram os motes principais para a realização deste espetáculo. A Casa do Beco existe desde 2003, quando foi adquirida pelo Grupo do Beco, e está localizada aos pés do Morro do Papagaio/ Aglomerado Santa Lucia, na região Centro Sul de Belo Horizonte.

Elenco: Adriano Santos dos Santos, Cláudio de Freitas, Fernanda Carvalho, Marinalva, Lucas Matias e Roberth Michael

Direção e Dramaturgia: Nil César

Oficina de Iniciação e Interpretação Teatral: Iva Guedes

Preparadora Corporal: Patrícia Alencar

Cenário, Figurino e Adereço: Juliana Floriano

Duração: 50 min

Classificação indicativa: Livre

28 DE OUTUBRO, SEGUNDA, 17h

PRAÇA DO TEATRO MUNICIPAL

Pequenos atos de rua

Grupo de Dança Primeiro Ato

Em espaços públicos da cidade e inspirados em contos e no realismo fantástico, o cotidiano é a matéria-prima para quadros que se movem e transformam o cenário urbano em ambientes de sonho e múltiplas possibilidades. O trabalho dos bailarinos busca aproximar o público na identificação e na transcendência dos movimentos. O Grupo de Dança Primeiro Ato realiza trabalhos em dança contemporânea, diversos e singulares. Desde o seu início, em 1982, tem por objetivo investigar e ampliar o universo da dança em espetáculos expressivos, com apuro cênico, rigor técnico e forte apelo emocional.

Concepção, Encenação e Direção coreográfica: Suely Machado

Estudos coreográficos e Elenco: Alex Dias, Ana Virginia Guimarães, Danny Maia, Lucas Resende, Marcela Rosa, Pablo Ramon, Verbena Cartaxo, Vanessa Liga

Figurinos: Pablo Ramon 

Trilha sonora: Pesquisa do Grupo de Dança Primeiro Ato

Duração: 30 min.

Classificação indicativa: Livre

30 DE OUTUBRO, QUARTA, 17h

PRAÇA DO TEATRO MUNICIPAL

Fábulas errantes

Galpão Cine Horto – Projeto Pé na Rua

No espetáculo, uma trupe mambembe de teatro-circo chamada Irmãos Grimm ocupa diferentes espaços de praças e parques para representar as fábulas populares coletadas e escritas pelos renomeados irmãos alemães em 1812. Na batalha pela atenção do público, o espetáculo propõe uma experiência itinerante pelo universo dos contos de fadas, com humor, despojamento e rebeldia. Em comemoração ao bicentenário da primeira publicação de “Contos Maravilhosos, Infantis e Domésticos”, dos Irmãos Grimm, o projeto Pé na Rua do Galpão Cine Horto mergulha nesse universo que vem influenciando, de geração em geração, a infância e o pensamento sobre o amor, a morte, a justiça e a felicidade.

Direção: Mariana Lima Muniz

Dramaturgia: Bete Penido e Mariana Lima Muniz

Elenco: Bruna Campos, Érica Hoffmann, Denise Leal, Fabiana Loyola, Felipe Vaz, Ramon Coelho e Tucha Borges

Cenografia: Ed Andrade

Figurino, maquiagem e adereços: Silma Dornas

Música original, trilha e preparação vocal/musical: Maurilio Rocha

Músicos: Maurilio Rocha, Diogo Horta e Lucas Chiaradia (revezamento)

Duração: 60 min.

Classificação indicativa: Livre

1º DE NOVEMBRO, SEXTA, 17h

PRAÇA DO TEATRO MUNICIPAL

PONTO DE ENCONTRO

FUNDAÇÃO CULTURAL CALMON BARRETO

Praça Arthur Bernardes, 10 – Centro

Sem limites pra sonhar

Idealizado pelo músico Rodrigo Torino, o projeto resgata a memória afetiva de canções românticas e grandes hits que fizeram sucesso nos anos 1980, numa proposta de grande interação com o público. Fábio Jr., Roupa Nova, Dalto, Biafra e Lulu Santos são alguns dos nomes brasileiros presentes no repertório do show, além dos internacionais Michael Jackson, Stevie Wonder e Boy George.

Músicos: Rodrigo Torino, Tiago Araújo, Maurício Ribeiro, Rafael Azevedo e Gustavo Grieco

27 DE OUTUBRO, DOMINGO, 20h

Corpo de Baile SESI Uberlândia

Apresentações de dança

28 DE OUTUBRO, SEGUNDA, 20h

Dolores 602

Fruto das diferentes experiências musicais já vividas por cada uma das integrantes, a

sonoridade da banda passeia pelo rock, pop e música brasileira: músicas inéditas e autorais dialogam com releituras de Roberto Carlos, Rolling Stones, Caetano Veloso,

Beatles, Chico Buarque, Rita Lee e afins.

Musicistas: Camila, Isabella, Débora e Táskia

28 DE OUTUBRO, SEGUNDA, 21h

Gerais de salão

Araxá Dance Company Dança Comunidade

O espetáculo traz a dança esportiva em cadeira de rodas ao palco em ritmos latinos, com coreografias performáticas, a alegria do jive, além da presença forte do passo doble e no gingado em rodas.

29 DE OUTUBRO, TERÇA, 20h

Ludy Rocha

Cantora e compositora araxaense, foi finalista do quadro “Mulheres que brilham” do programa Raul Gil do SBT e tem recebido grande destaque na mídia.

29 DE OUTUBRO, TERÇA, 21h

Grupo de Dança SESI Araxá

Apresentações de dança

30 DE OUTUBRO, QUARTA, 20h

Tarcísio Moura Blues e Afins

A banda apresenta repertório de blues e rock clássico, tendo se apresentado em diversos estabelecimentos da cidade, rendendo elogios do público.

Músicos: Carlinhos Carvalho, Daniel Souza, Emílio Borges, Wender Ferreira e Tarcísio Moura

30 DE OUTUBRO, QUARTA, 21h

Dialética Baiana

Eu, pecadora, confesso a Diós, dos o uno, morto ou solto e não sei se todo poderoso ou se transfabuloso, power to the people, o amor e o poder, a Rosana, al ombligo de la diosa, Pepeu todo masculinofeminino e a Gil luminoso, Marcelo todo Veronez, Marilia Pera Possessa, Amapola la lola, alalaô, Fernanda, Suzanna, Lala e Po, ao bem aventurado João Santos, dialética baiana de todos os anjos, Arthuzzis, Blancos e Padis, Bahia que desce pra floresta e que não é Guanabara e nem banguela, da bem aventurada da morena de cá e ao bem aventurado daquele acolá, que não sou aiatolá, nunca fui xiita e até Ratzinger pediu altas, pendurou as chuteiras, comeu a bula e sem fumacinha branca por enquanto.

Músicos/ Artistas: Ricardo Koctus, Thiago Braga, Luisinho Vassalo, Claudio Moraleida, Marina Arthuzzi, Marina Viana e Marcelo Veronez

31 DE OUTUBRO, QUINTA, 20h

Baile Black Soul

DJ Black Josie

Inspirado nos antigos bailes do Seu Osvaldo e sua Orquestra Invisível e de Big Boy e Ademir Lemos, o baile oferece ao público uma deliciosa e dançante viagem pelo soul, funk e disco dos anos 70, coordenado pela experiente DJ e contando com a participação de dançarinos convidados.

31 DE OUTUBRO, QUINTA, 21h

Pedro Morais

Permeado por simplicidade e leveza, o terceiro álbum de Pedro Morais, “Vertigem”, traz o cantor e compositor mineiro sem padronizações ou pré-definições. Apenas música brasileira, fruto inegável da MPB, mas que subverte a forma e cria a própria identidade.

1º DE NOVEMBRO, SEXTA, 20h

Road Runner

A banda apresenta versões modernas e vibrantes de clássicos do rockabilly. A fonte de pesquisa para montagem do setlist encontra-se no berço do rock and roll, na grandiosa obra de dinossauros como Elvis Presley, Chuck Berry, Little Richard, Jerry Lee Lewis, Roy Orbinson, Richie Valens, Buddy Holly, entre outros.

Músicos: Gê Lopes, Marcelo Franco, Sérgio Ribeiro, Del Cabral e J.R. Peixoto

1º DE NOVEMBRO, SEXTA, 21h

INTERVENÇÕES

Avestruz: só tenho rascunhos

Paola Rettore

A obra realiza interferências urbanas, a partir da construção de roupas-esculturas, trabalhadas como objetos, como construção de adereços superpostos ao corpo ou mesmo como uma extensão do corpo, dando à escultura um lugar, uma posição, uma referência.

A troca do porco!

Cia. Valentina de Teatro

Mascarados loucos invadem espaços da cidade, nesta divertida intervenção, onde pequenas histórias são contadas por cada uma das personagens, para pequenos grupos de espectadores. Cada personagem conta a seu modo, entre histórias e façanhas, sua versão “vivida” em “A Troca do Porco!”, livre inspiração na obra de Ariano Suassuna.

24 DE OUTUBRO A 1º DE NOVEMBRO

EM DIVERSOS PONTOS DA CIDADE E NAS INDÚSTRIAS

 OFICINAS

UNIDADE SESI ARAXÁ

Av. Ítalo Rossi, s/n – Santa Rita

Inscrições: http://encontroartescenicasaraxa.blogspot.com.br

Informações importantes:

1) As inscrições e oficinas são gratuitas;

2) Ao se inscrever para mais de uma oficina, confira datas e período de realização de cada uma para não haver sobreposição e ocupar vagas que podem ser de outros interessados;

3) Seja pontual para não atrasar os trabalhos de professores e alunos;

4) Os certificados serão emitidos para os alunos que cumprirem, no mínimo, 75% da carga horária total.

Dança: composição e improvisação

Paola Rettore

A oficina oferece espaço para a criação composicional e improvisação em dança, orientada através de exercícios e consciência corporal em nível intermediário. Aborda aspectos da dança contemporânea, consciência corporal, exercícios de composição com ênfase na improvisação, possibilitando o desenvolvimento de trabalhos de criação autoral.  Paola Rettore é bailarina e performer, com passagens pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Grupo Galpão e Palácio das Artes em BH. Também se formou em dança moderna pelo grupo Corpo, participou do 1º Ato, foi solista da companhia de dança do Palácio das Artes e preparadora corporal de espetáculos do Galpão. Suas experiências profissionais nos campos da educação e da dança influenciaram claramente sua produção artística.

Público: alunos de dança de 12 a 19 anos com iniciação em dança contemporânea, clássica, jazz, de salão, popular ou folclórica.

Informações: os alunos deverão levar para a oficina roupas confortáveis, água, lanche, caderno e caneta/lápis, tesoura e cola e também uma roupa, um livro, uma música, um objeto de sua preferência ou que tenha um significado afetivo.

27, 28 e 29 de Outubro, 14h às 17h

Teatro Improvisado – a prática da espontaneidade

Hortência Maia – UMA Companhia

A improvisação teatral é uma técnica direcionada à formação de atores-improvisadores e à construção de espetáculos de improvisação. A oficina proporciona ao participante uma atividade lúdica, favorecendo o exercício da espontaneidade e da criatividade, estimulando a atenção e o acordo grupal ao possibilitar a aprendizagem de elementos da cena teatral de maneira divertida, estimulante e espontânea. UMA Companhia é um grupo teatral de Belo Horizonte que, em seus seis anos de existência, desenvolve um trabalho de pesquisa e difusão da improvisação teatral. Entre suas atividades destacam-se os espetáculos “Match de Improvisação” e “Improcedente”, grandes sucessos de público e crítica.

Público: jovens de 13 a 17 anos, estudantes, iniciantes e profissionais de teatro.

30 e 31 de Outubro e 1º de Novembro, 14h às 17h

Faça Você Mesmo: Carreiras Criativas Independentes

Rafaela Cappai

Os empreendimentos criativos adquiriram crescente importância como recurso para o desenvolvimento social e econômico, especialmente em países emergentes como o Brasil. Dentro desse cenário, pouco se tem re?etido sobre a formação de pro?ssionais criativos, interessados em gerenciar suas próprias carreiras de modo sustentável, em lugar da excessiva dependência do Estado ou de patrocinadores privados. Rafaela Cappai é artista com mais de 15 anos de experiência em teatro e dança e empreendedora à frente da Espaçonave. Concluiu, com Mérito, o Mestrado em Empreendedorismo Cultural e Criativo na Goldsmiths University of London. Possui graduação em Comunicação (PUC Minas), pós-graduação em Marketing (Newton Paiva), e uma inacabada graduação em Artes Cênicas (UFMG), que lhe rendeu experiência e muita diversão.

Público: artistas, criativos, gestores culturais, produtores, ativistas, jornalistas, designers, freelancers, autônomos, a partir de 16 anos de idade, com vontade de aprender, trocar, criar e se desenvolver.

28, 29 e 30 de Outubro, 9h às 13h

Jazz Dance

Ana Cláudia Silva Fernandes

A oficina consiste em aulas práticas e vivência do Jazz Dance e suas tendências, oferecendo novas perspectivas para a formação de bailarinos do gênero que vivem em salas de aulas e desejam maior conhecimento de técnicas e estilos. O trabalho é realizado de forma coletiva e também individual, para que o aluno tenha uma experiência única para desenvolver suas potencialidades e estímulos para ultrapassar limites já estabelecidos. Ana Cláudia Silva Fernandes é especialista em Docência no Ensino Superior com estudos de Bale Clássico para Deficientes Visuais e Graduada em Educação Física. Tem cursos de balé clássico, dança contemporânea, jazz, estilo livre, lecionando em diversas escolas. Participou de eventos como o Festival de Joinville, Internacional Brazil Tap Jazz, Congresso Internacional de Indaiatuba. É professora, coordenadora e coreógrafa do CDK – Centro de Danças Kathak e Instrutora de dança na Escola de Cultura Sesi Araxá.

Público: bailarinos, professores, estudantes de dança e interessados, a partir de 13 anos e com alguma experiência na área.

31 de Outubro e 1º de Novembro, 10h às 12h

Serviço

23º Encontro Sesi de Artes Cênicas Araxá

De 26 de outubro a 1º de novembro

Teatro/ Unidade Sesi Araxá

Av. Ítalo Rossi, s/n – Bairro Santa Rita

Fundação Cultural Calmon Barreto

Praça Arthur Bernardes, 10 – Centro

Praça do Teatro Municipal

Av. Antônio Carlos – Centro

Notícias relacionadas