Desenvolvimento Humano atualiza cadastros de programas habitacionais

Desenvolvimento Humano atualiza cadastros de programas habitacionais

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano deu início à fase de atualização dos cadastros de programas habitacionais. Cerca de 8 mil famílias foram inscritas até agora e estão à espera do benefício através de programas dos governos federal, estadual ou municipal. As inscrições começaram em abril do ano passado, mas diversas modificações nos projetos que beneficiam famílias com renda de até três salários mínimos fizeram com que a Caixa Econômica Federal não liberasse definitivamente a execução das obras.

Com o atraso para aprovar os projetos, muitas famílias já conseguiram adquirir sua casa própria, melhoraram ou pioraram sua situação financeira. Para beneficiar as famílias com maior necessidade a secretaria decidiu atualizar todos os cadastros realizados.

Apesar disso, o primeiro projeto de construção de 560 unidades será lançando na próxima quinta-feira (8), em solenidade no Gabinete da prefeitura. Das famílias cadastradas, mais de três mil possuem renda familiar de até três salários mínimos e estão dentro do perfil socioeconômico do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida.

A seleção é de acordo com os critérios específicos definidos pela administração municipal. Os objetivos são atender famílias que deverão ser removidas das áreas de risco ou consideradas inadequadas para habitação; reduzir o déficit habitacional da população de baixa renda e fomentar a participação da iniciativa privada na execução de projetos destinados à solução dos problemas habitacionais no município.

A assistente social Valéria Pereira diz que para fazer uma avaliação mais justa é necessário renovar os dados. “Os cadastros foram feitos há mais de um ano e algumas famílias melhoraram sua situação financeira, outras até adquiriram sua casa própria. Tivemos 8.154 cadastros de famílias carentes e vamos atualizar todos eles, um trabalho que deve demorar cerca de três meses. Para que ninguém fique prejudicado, vamos enviar cartas de convocação para que todos compareçam à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano.”

De acordo com ela, famílias com maior necessidade terão prioridade para receber as primeiras 560 unidades habitacionais. “Como a demanda é grande, vamos priorizar as famílias com menor renda, maior quantidade de membros, em situação de risco, casos de doenças na família que são alguns dos critérios a serem observados pelos assistentes sociais”, explica

“Neste primeiro momento vamos atender essa classe de zero a três salários mínimos porque é a proposta da administração municipal e também do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. Já fizemos a maioria dos cadastros, mas diariamente temos duas, três famílias que procuram a secretaria solicitando ajuda para construir sua casa própria. Para essas pessoas, vamos continuar realizando os cadastros para os programas habitacionais, mas elas só poderão ser beneficiadas em uma segunda etapa.”

Em relação aos casos esporádicos, a assistente social diz que eles serão analisados para identificar se há ou não a real necessidade de serem priorizados pelos programas habitacionais oferecidos.

“Temos uma equipe da Ronda Social que procuram esses casos urgentes e a grande maioria já foi realizada os cadastros, mas sempre existem algumas situações que realmente estão em situação crítica. À medida que os projetos forem aprovados e as ordens de execução das unidades forem autorizadas. a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano vai convocando cada família”, afirma Valéria.

Notícias relacionadas