Entidades se mobilizam para trazer gasoduto para Araxá

Entidades se mobilizam para trazer gasoduto para Araxá

Da Redação – A Associação Comercial, Industrial, de Turismo, Serviços e Agronegócios de Araxá (Acia), Cooperativa Agropecuária de Araxá (Capal) e o Sindicato dos Produtores Rurais de Araxá iniciaram uma mobilização para trazer o projeto Rotas do Futuro para o município. O objetivo é criar esforços para que o gasoduto que ligará São Carlos a Uberaba até 2014 atenda também as empresas e a população da microrregião de Araxá.

O projeto foi lançado na última semana pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), em Uberaba, e percorrerá as demais regionais da instituição, com a apresentação de temas importantes para o desenvolvimento do Estado e principalmente da região.

A mobilização foi iniciada pelas entidades durante a reunião mensal. Os representantes vão encaminhar um ofício ao vice-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), Antônio Leonardo Lemos Oliveira (Toninho), para que solicite uma palestra com o presidente da Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig), Fuad Noman, em Araxá.

A disponibilização do gás natural deve provocar um salto de desenvolvimento econômico e social para a região. O baixo custo do combustível, que chega a ser 30% mais barato que o óleo, é uma das inúmeras vantagens do projeto. A princípio, o gás servirá para atrair indústrias, mas a intenção é que aos poucos o comércio e até mesmo residências possam fazer uso da energia.

O presidente da Acia, Marcio Antônio Farid, diz que as empresas araxaenses e da microrregião devem aproveitar a oportunidade e se mobilizar para dar um grande salto no desenvolvimento econômico da região. “O projeto do gasoduto, que ligará São Carlos a Uberaba e se estenderá até Uberlândia, já possui um traçado que leva a energia limpa também à Araxá. Hoje, o gás é um combustível incomparável para o segmento industrial. Por isso, queremos trazer o presidente da Gasmig para uma palestra em Araxá, onde ele vai esclarecer as dúvidas existentes, as vantagens e as possibilidades do projeto ser implantado imediatamente no município”.

Segundo Farid, as entidades já envolvidas nessa mobilização buscarão novos parceiros. “Vamos entrar em contato com as empresas interessadas em participar dessa grande mobilização. Já demos o primeiro passo e vamos encaminhar um oficio ao vice-presidente da Codemig, Antônio Leonardo Lemos Oliveira, para solicitar a palestra e também realizar uma mobilização política em âmbito estadual. Temos que nos movimentar rapidamente e unir o maior número de empresas dentro do projeto”, destaca Farid.

Para o presidente da Capal e do Sindicato dos Produtores Rurais de Araxá, Alberto Adhemar do Valle Júnior, o município não pode se dar ao luxo de perder mais uma oportunidade de desenvolvimento. “Já tivemos várias situações que proporcionavam ao município um crescimento econômico e industrial, mas que não se tornaram realidade por falta de uma mobilização, como esta que demos início, ou por situações de divergência política. Há pouco tempo, Araxá perdeu uma indústria de fabricação de leite em pó porque o município não tinha uma fonte de combustível limpa, como é o gás natural. Portanto, temos que aproveitar a oportunidade, temos que nos mobilizar para conquistar esse grande atrativo industrial para a nossa microrregião”.

De acordo com o presidente da Capal, a cidade inteira tem que abraçar o projeto do gasoduto. “As vantagens de uma implantação de um gasoduto traria para a nossa região são enormes. O gás é uma energia limpa, com níveis de poluição insignificantes; o custo é mais baixo; não precisa estocar; enfim, são inúmeros os benefícios para a indústria, o comércio, o setor rural, agroindustrial e para própria população, que teria combustível por um preço bem menor que a gasolina, álcool e o diesel, por exemplo. Não podemos ficar parados, deixar a oportunidade passar sem fazer nada. É um projeto audacioso, que requer uma grande mobilização social, política e empresarial, e que merece todo nosso esforço”, destaca Júnior.

O vice-presidente da Codemig, Toninho, diz que a possibilidade do gás natural se estendido para toda a região do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro é grande. “Logicamente, é necessário haver demanda para que o projeto seja implantado e as demandas iniciais são políticas. Nós vimos primeiramente às mobilizações de Uberaba que obteve êxito, depois acompanhamos uma comitiva de Uberlândia na Gasmig, em Belo Horizonte, para poder estender o ramal para o município, e com certeza, terá êxito porque o público consumidor é muito grande. Agora, tivemos uma reunião na última semana em Uberaba e foi ventilada a possibilidade desse gás natural atender Araxá e Tapira em função dos pólos industriais aqui existentes.”

Segundo Toninho, se haver um trabalho político intenso e haver a mobilização da comunidade, Araxá poderá receber esse gás natural. “Além dos nossos polos industriais, a indústria de fertilizantes e outros minerais, temos um Distrito Industrial, com grandes empresas. A possibilidade do gás veicular que tem um custo bem menor que o óleo o petróleo e a gasolina. E nós estamos falando de uma matéria prima limpa que possui reservas incalculáveis. Não só a nível de pré-sal na costa brasileira, como também algumas jazidas no interior do Brasil, como por exemplo, a recém detectada no Noroeste de Minas, da qual o governo do Estado é um dos sócios majoritários. Então, vejo ótimas possibilidades se for feito um trabalho político intenso, a mobilização da comunidade, para convencermos setores do governo para que em uma segunda etapa esse gás natural chega a região do Alto Paranaíba.”

Gasmig

A Gasmig é a distribuidora exclusiva de gás natural canalizado em todo o território mineiro, por outorga de concessão pelo Estado de Minas Gerais, atendendo aos segmentos: industrial, uso geral, residencial, gás natural comprimido, gás natural liquefeito, automotivo e termelétrico. A companhia é uma sociedade anônima sob o controle indireto do Estado de Minas Gerais, sendo seus acionistas a Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig (55,2%), a Petrobrás Gás S.A. – Gaspetro (40%), a MGI – Minas Gerais Participações S.A.(4,38%) e o Município de Belo Horizonte – PBH (0,43%).

A Gasmig possui contratos de suprimento de gás em longo prazo com a Petrobrás, capazes de garantir o abastecimento do mercado atual e de toda a expansão planejada para Minas Gerais até 2030. O objetivo é fornecer soluções a partir do gás natural a todos os segmentos do mercado, contribuindo para o bem estar e desenvolvimento de Minas Gerais, de forma eficiente, sustentável e rentável.

Notícias relacionadas