Governo anuncia o Plano Estadual para Contingenciamento da Dengue

Governo anuncia o Plano Estadual para Contingenciamento da Dengue

A dengue é uma doença que requer diagnóstico rápido e hidratação intensa para evitar que o paciente chegue ao óbito. Para promover o atendimento adequado no Estado, o governo de Minas anunciou o Plano Estadual para Contingenciamento da Dengue, nesta quinta-feira (12).

Entre as ações que serão desencadeadas estão a distribuição de material educativo, baseado nas linhas-guia elaboradas pela Secretaria de Estado de Saúde, para médicos e enfermeiros, orientações para os cidadãos sobre o que fazer em caso da doença, além de serem repassadas projeções sobre a enfermidade em Minas.

“Demos o prazo até o dia 20 de março para que os municípios prioritários nos encaminhem o plano municipal para que possamos dimensionar a quantidade de leitos necessários, os insumos. Estamos nos preparando para enfrentar a possibilidade de epidemia, e por isso intensificamos a necessidade de atendimento adequado”, explica a subsecretária de Políticas e Ações de Saúde, Helidéa de Oliveira Lima.

A subsecretária enfatiza a importância da hidratação, detalhando como os profissionais devem proceder. “Teremos as classificações de risco, passando pelos casos menos graves, como azul e verde, até aqueles que requerem maior atenção, como o amarelo, laranja e azul”, completando que 95% dos casos podem ser solucionados pelas Unidades Básicas de Saúde.”
 
Já o subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Felipe Caram, destaca a gravidade da doença, que pode matar independente de apresentar um quadro de febre hemorrágica. “Não podemos esperar que o pior aconteça. As pessoas devem procurar o atendimento imediatamente ao apresentarem os sintomas. Vamos promover uma campanha orientando sobre a hidratação e os cuidados que devem ser tomados”, diz.

Até o momento foram notificados 13.628 casos da doença, com dois óbitos confirmados, sendo um por dengue hemorrágica e outro por dengue com complicações.

Ações

Entre as ações que serão desenvolvidas, estão a distribuição de cartazes com recomendações clínicas, folhetos e cartões com a classificação de risco para médicos e enfermeiros de Unidades Básicas de Saúde (UBS), Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e hospitais; capacitação de médicos para atuação itinerante, se necessário, para os municípios vermelhos e amarelos; cálculo do número de casos previstos por município, pactuação de leitos para atendimentos e fornecimento de insumos.

“A Rede Fhemig e os hospitais do Pro-Hosp (Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS/MG) estarão preparados para atender os pacientes mais graves, inclusive com leitos de UTI, se for necessário. O paciente apresentando os sinais de choque, já será encaminhado para uma referência microrregional ou macrorregional, se for identificado como risco laranja ou vermelho, respectivamente”, afirma Helidéa.

Leia mais

Saúde confirma primeiro óbito por dengue hemorrágica no Estado

Notícias relacionadas