Justiça inicia julgamentos de oito crimes contra a vida em Araxá

Justiça inicia julgamentos de oito crimes contra a vida em Araxá

Começou na manhã de hoje (5), no Tribunal do Júri (Juizado Especial) da avenida Getúlio Vargas, uma nova série de julgamentos de crimes contra a vida. Os trabalhos acontecem de segunda a quinta-feira, nesta, e na próxima semana. O caso que abre os julgamentos é de um homicídio ocorrido em 1995. Segundo o juiz Renato Zouain Zupo, a população pode acompanhar a atuação do Poder Judiciário.   

“São sessões do Tribunal do Júri, designadas para julgamento de crimes dolosos contra a vida, consumados ou tentados, em sua maioria homicídios. Vamos julgar uma série de oito processos, submetendo ao conselho de sentença que é composto por cidadãos da sociedade”, destaca Renato Zupo.

Segundo o juiz, a participação do cidadão na administração da Justiça é muito importante. “É a maneira que o Poder Judiciário possui de arregimentar para si a cooperação de toda a sociedade”, diz.

Casos

Ao todo, oito casos serão julgados e os processos são, em sua maioria, de homicídios ocorridos nos últimos dois anos.  “Pra nós todos os casos são importantes e conhecidos, mas a população estará diante de alguns casos mais falados. O de hoje, por exemplo, um homicídio (Vítima morta após sofrer com golpes de martelo pelo réu julgado hoje e por golpes de uma roçadeira pelo acusado de ser comparsa) ocorrido em 1995, já foi submetido a julgamento quatro vezes, por duas vezes a decisão foi revogada por superior instância e estará sendo submetido a júri novamente nesta oportunidade”, conta o juiz.

O Ministério Público diz que o homicídio foi duplamente qualificado e  vai pedir a condenação dentro dos termos da pronúncia. Já o advogado de defesa do réu, Bruno Borges Almeida, afirma que seu cliente não teve intenção de matar e que não foi ele quem deu a causa da morte.  

Crime do japonês

Na quarta-feira a Justiça julga um homicídio que ficou bastante conhecido em Araxá como o crime do japonês das máquinas de costura. O caso esteve em mistério a respeito de quem seria o autor por vários anos e a polícia conseguiu apurar o suposto assassino.

Julgamentos

Desde que Renato Zupo tomou posse na Vara Criminal, há cerca de quatro anos, ele busca realizar a série de julgamentos pelo ao menos uma vez por semestre. 

Notícias relacionadas