Lojas desrespeitam desconto nas compras à vista com o cartão de débito

Lojas desrespeitam desconto nas compras à vista com o cartão de débito

Uma pesquisa realizada hoje (10) pelo Diário de Araxá aponta que a maioria das lojas locais de confecções, calçados e presentes (60%) oferece o desconto pela metade nas compras à vista com cartão de débito em relação às compras com dinheiro.

As despesas com aluguel e manutenção das máquinas de cartão, além da taxa cobrada sobre a transação da compra (média de 3% do valor), são as principais alegações dos comerciantes para que não ofereçam o mesmo desconto no pagamento com dinheiro.

Dos dez estabelecimentos ouvidos, somente quatro dão o mesmo abatimento. O secretário executivo do Programa Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), Tiago Silva Borges, diz que a redução do desconto é abusiva.

“O estabelecimento comercial disponibiliza esse sistema de cartão justamente para que tenha uma maior amplitude nas vendas. Então, os gastos com aluguel, manutenção e taxas de transação não devem ser repassadas para o consumidor”, alerta Tiago.

Caso o comerciante se recuse a dar o mesmo desconto das compras com dinheiro, Tiago diz que o consumidor deve procurar o Procon. “Vamos encaminhar a reclamação ao lojista e até mesmo abrir um processo administrativo para tomar as medidas legais cabíveis”, explica.

O secretário executivo acrescenta que o uso cartão é cada vez mais comum no dia-a-dia do consumidor. “É um meio prático, com facilidade de parcelamento e vantajoso, na medida em que o consumidor seja controlado, além de evitar que ele carregue grande quantidade de dinheiro ou cheque”, destaca.

O analista de suporte, Thiago Teixeira, diz que o desconto reduzido na compra no débito é um absurdo. “O pagamento é descontado na hora na minha conta corrente. Eu só dou razão nesse tipo de desconto na compra com o cartão de crédito, já que leva mais tempo para que o comerciante receba o valor da compra”, afirma.

Thiago conta que já recusou comprar à vista no débito numa loja de calçados. “O vendedor disse que só me daria o desconto caso eu comprasse no dinheiro. Ele sequer quis me dar o desconto no débito, e olha que o tênis que eu queria custava uns R$ 340. Resolvi comprá-lo em outra loja que deu o mesmo desconto da compra com dinheiro. No final das contas, economizei R$ 50.”

Notícias relacionadas