Minas investe na atenção primária para controlar diabetes

Minas investe na atenção primária para controlar diabetes

Quando se celebra o Dia Mundial do Diabetes, 14 de novembro, há de se alertar a população para a epidemia que está se instalando silenciosamente, principalmente nos países em desenvolvimento, que tendem a ter aumentado o problema, seja pelo rápido envelhecimento de suas populações, o que eleva a incidência de diabetes, seja pelo aumento da prevalência de obesidade em crianças e adolescentes, que resulta em maior risco de desenvolvimento da doença, explica o coordenador estadual de Hipertensão e Diabetes, Ailton Cezário Alves Júnior. O diabetes atinge todas as faixas etárias, sem distinção de raça, sexo e condições socioeconômicas, e seu risco cresce com a idade.

Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS), o número de portadores da doença no mundo, em 2000, era de 177 milhões. A expectativa é que sejam 350 milhões de pessoas em 2025. No Brasil, são cerca de 6 milhões de diabéticos e este número deverá chegar a 10 milhões no ano que vem. Em Minas Gerais, a estimativa é que existam 653.762 portadores de diabetes, sendo 65.376 tipo 1 e 588.385 tipo 2, informa Ailton Cezário.

Aproximadamente 50% da população com diabetes não sabe que tem a doença porque não apresentam sintomas, situação que é bastante frequente no tipo 2, que acomete principalmente adultos.

O governo do Estado, no enfrentamento a essa epidemia, está implantando a Rede Hiperdia para articular e integrar ações nas diversas comunidades do Estado e nos diferentes níveis de complexidade do sistema de saúde, visando reduzir fatores de risco e a morbimortalidade pela hipertensão arterial e diabetes mellitus, assim como suas complicações, declara o coordenador estadual da rede.

Notícias relacionadas