Moradores do Barreiro negociam indenizações durante esta semana

Moradores do Barreiro negociam indenizações durante esta semana

A Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) inicia a partir desta terça-feira (24) a negociação das indenizações dos moradores do Barreiro para a desocupação do local, que não tem infraestrutura e saneamento básico (Vila Operária, Alto Paulista e adjacências). Uma reunião entre advogados e diretores da estatal, Poder Judiciário, Ministério Público, prefeitura e moradores vai esclarecer como todo o processo será feito.

Os imóveis das famílias que desejam sair (94% do total) já foram avaliados e todos estão de acordo com a proposta apresentada, inclusive com valor acima do que realmente valem, segundo o presidente da Associação dos Moradores do Barreiro, Gilson Baltazar dos Santos.

Além disso, eles poderão reaproveitar materiais como janelas, portas, louças sanitárias e outros para a construção dos novos imóveis.

O prefeito Jeová Moreira da Costa afirma que a administração municipal será parceira de cada um dos moradores, mas não garantiu a doação de terreno para todos.

“No início do ano tínhamos apresentado esta proposta no início do ano, mas cada caso será avaliado para determinar qual a necessidade específica de cada família. Seremos parceiros para que um melhor acordo aconteça”, afirma.

“Os moradores serão pagos por aquilo que foi avaliado pelos imóveis e, a princípio, não vejo a necessidade de doações de terreno. O terreno pode fazer parte da negociação, mas em termos de troca. A pessoa deixa de receber o valor dar indenização e recebe no mesmo valor, mas com comprometimento de construir a casa”, acrescenta o prefeito.

Ele diz que a solução dos moradores e a desocupação no Barreiro são prioridades do seu governo.

“O Barreiro é muito importante dentro do eixo turístico e já existem empresários interessados naquelas áreas para construir hotéis, pousadas e restaurantes, mas primeiro precisamos vencer essa etapa que existe há mais de 50 anos. “Acredito que até o fim do ano o processo de negociação deve ser finalizado.”

Habitação popular

O morador que se enquadrar dentro do projeto de habitação elaborado pela prefeitura poderá trocar a indenização da Codemig por um imóvel popular, segundo o prefeito.

“Tudo vai depender da negociação que será feita entre morador e estatal. Se a pessoa ganhar R$ 80 mil pelo imóvel e quer uma casa, a Codemig vai acionar a prefeitura e podemos entregar a casa pelo valor indenizado; ele não vai poder receber os R$ 80 mil e mais a casa”, afirma Jeová.

Notícias relacionadas