Palhinha solta o verbo em entrevista e expõe problemas extracampo

Se depender do treinador Palhinha, muita coisa terá que mudar no Ganso. Em entrevista ao programa Debates Esportivos da Rádio Cidade, na noite de ontem (29), ele expôs inúmeros problemas vividos no dia-a-dia do alvinegro, elogiou o diretor de futebol Marcelo Araxá e disse que o presidente anda “meio” sumido.

“Se eu fosse o Marcelo Araxá deixaria o Ganso”, afirmou Palhinha a respeito da falta de apoio financeiro ao Araxá Esporte e aos gastos do próprio bolso do diretor para custear, por exemplo, viagens do Gansinho na Copa Centenário do Galo. Ainda segundo ele, se pessoas como o Marcelo deixarem o Araxá, o time morre. “Quem manda dentro de campo sou eu, fora é o Marcelo, Já o presidente tem cuidado mais de suas coisas”, disse.

O treinador se queixou da falta de material para treinamentos, de uma alimentação adequada aos atletas e, mais uma vez, da falta de apoio. “Se a gente continuar treinando no estádio o gramado vai ficar ruim, mas não temos condições de pagar R$ 500 para treinar no único campo grande da cidade”, destacou, em alusão ao campo da Associação dos Funcionários da Bunge (AFB).

A preguiça de alguns jogadores também não está deixando Palhinha nada satisfeito. Nesta semana, quatro foram dispensados, inclusive o atacante Yan, e o treinador não descarta a possibilidade de outros tomarem o mesmo rumo. “Não vou aceitar que jogador fique de ‘preguicinha’ em campo”.

Em seus poucos elogios, Palhinha destacou a cooperação dos jogadores e disse que, mesmo as coisas não indo bem, na há um atleta que esteja reclamando. Ele também falou do bom trabalho das cozinheiras e dos membros da diretoria, que segundo o treinador, não medem esforços para cumprir o que é proposto.

Um outro problema apontado por ele é a falta de pagamento e o transporte. “Foi conversado com a diretoria que tudo será pago na semana que vem, não quero justificar nada dizendo isso, já que os resultados são conquistados dentro de campo.” Além da comissão técnica, alguns jogadores ainda não receberam. A respeito do transporte, Palhinha criticou que a empresa atrasa seus compromissos, comprometendo, assim, o seu trabalho.

Em suas últimas palavras, Palhinha desabafou “Eu aceito todas as críticas e cobranças, mas antes eu quero que estas pessoas conheçam a realidade do Araxá Esporte, quem vai ao jogo e me xinga das arquibancadas acha que está tudo ‘bonitinho’.”

O Araxá enfrenta o Tupi pela segunda rodada da Taça Minas Gerais, neste domingo (31), às 10h30, no Estádio Mário Helênio, em Juiz de Fora.

Notícias relacionadas