Parceria pública-privada pretende construir 2 mil moradias em 2010

Parceria pública-privada pretende construir 2 mil moradias em 2010

A Prefeitura de Araxá e a iniciativa privada ampliam a perspectiva de construir moradia popular para famílias com renda inferior a três salários mínimos que estão enquadradas dentro do perfil socioeconômico do programa Minha Casa, Minha Vida – Caixa Econômica Federal.

A expectativa da administração municipal de construir 3 mil imóveis populares em quatro anos de governo aumenta com o interesse de empresas privadas em investirem na construção de residências populares. Três delas estão finalizando ou aguardando análise dos projetos pela Caixa.

Com os dois projetos privados já encaminhados à Superintendência da Caixa Econômica Federal, em Uberlândia, e outro em fase final de elaboração, juntamente com o projeto de 500 apartamentos da prefeitura, o planejamento passa a ser de 2 mil imóveis populares já construídos até o final de 2010.

O assessor Especial de Gabinete, Francisco Carlos Antonello, aponta que 1,5 mil residências serão construídas por empresas privadas. “As construtoras vão construir os imóveis e a própria Caixa, que é a gerenciadora do programa, vai repassar as chaves para o município fazer a entrega às famílias cadastradas na Secretaria de Desenvolvimento Humano”, diz.

Ele afirma que o projeto do município de construir 500 apartamentos continua em andamento e, em breve, as obras serão iniciadas.

“A Caixa está analisando 240 unidades e estamos terminando o projeto dos outros apartamentos e, assim que for concluído, nós vamos dar entrada. É bom ressaltar que o programa Minha Casa, Minha Vida não tem prazo para fechar, não tem data para acabar, portanto, temos tempo para dar entrada aos projetos.”

Antonello descarta a possibilidade de que um imóvel seja entregue ainda este ano. “Tínhamos uma expectativa de entregar alguns apartamentos, mas houve um atraso por parte da Caixa na definição das regras para os projetos que se encaixariam no programa. O prazo de construção é de um ano”, esclarece.

Seleção

O assessor explica que as famílias selecionadas para receber as chaves dos imóveis vão passar por um programa de treinamento técnico e social.

“Esse trabalho social é direcionado visando à melhoria da qualidade de vida da família, questões de saúde, educação, cidadania e meio ambiente. Todo esse trabalho será feito com as famílias para que elas se sintam bem no local onde escolheram para morar.”

Mais de 10 mil inscrições

Mais de 10 mil famílias já fizeram a inscrição e estão à espera do benefício através de programas do governo federal, estadual ou municipal. Das famílias cadastradas, mais de 3 mil possuem renda familiar de até três salários mínimos e estão dentro do perfil socioeconômico do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, que beneficiará principalmente famílias de baixa renda.

Como a demanda é grande, a prioridade serão as famílias com menor renda, maior quantidade de membros, em situação de risco, com casos de doenças na família e outros critérios a serem observados pelos assistentes sociais.

Notícias relacionadas