Pecuaristas mineiros vacinam bovinos contra febre aftosa em maio

Pecuaristas mineiros vacinam bovinos contra febre aftosa em maio

Tem início no dia 1º de maio a primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Febre Aftosa nos rebanhos bovinos e bubalinos dos principais estados brasileiros.

O lançamento oficial da vacinação, que se estende até o dia 31 de maio, acontece no dia 3, às 10h, no parque Fernando Costa, em Uberaba, durante a solenidade de abertura oficial da “ ExpoZebu 80 anos.”

O governo de Minas alerta aos produtores mineiros que devem retirar sua Carta Aviso no site do Instituto Mineiro Agropecuário (IMA) www.ima.mg.gov.br. Desde a vacinação de novembro, este é o novo procedimento que o pecuarista deve ficar atento. Ele não recebe mais a Carta em sua residência.

Expectativa

 

Em Minas Gerais, apesar da forte seca que acometeu todo o território mineiro nos quatro primeiros meses do ano de 2014, o que poderá prejudicar a vacinação contra a enfermidade, a expectativa do IMA é que nas 353 mil propriedades pecuárias distribuídas nos 853 municípios mineiros, sejam imunizados em torno de 24,15 milhões de bovinos e bubalinos de todas as idades. A meta é alcançar o 100% de vacinação nos rebanhos.

O Secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, André Merlo, explica que a febre aftosa é uma doença com potencial de difusão rápida entre as fronteiras nacionais. “Além de uma questão fundamental de saúde pública, a sua presença trava as exportações, com grandes prejuízos econômicos ao setor. Por isso é importante a adesão dos produtores mineiros à campanha”.

Para atender à demanda do mercado nacional e internacional e continuar crescendo com competitividade e credibilidade, o país precisa se manter livre de doenças com forte impacto econômico, como a febre aftosa. A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) tem reconhecido publicamente o empenho do Brasil no controle dessa e de uma série de outras enfermidades.

Para o diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, as ações de Defesa Agropecuária são próprias do governo federal, mas como a sua intensidade se eleva a cada ano, tornou-se necessário fazer convênios com os estados para capilarizar essas ações. Dessa maneira, afirma Rodrigues Neto, como nos anos anteriores, os recursos federais destinados às ações de defesa agropecuária nas unidades da Federação não devem ser submetidos a contingenciamentos ou à qualquer outra medida de interrupção das ações.

De acordo com o diretor-geral do IMA o que se precisa para que o Brasil continue na busca pela erradicação definitiva da febre aftosa em seu território, é que as verbas para Defesa Agropecuária sejam devidamente “carimbadas”, ou seja, os Estados tenham seus recursos garantidos acordados através dos convênios assinados com o governo federal.

A vigilância, diz o diretor, tem um custo significativo e tem que ser continuada. A Defesa Agropecuária precisa ser considerada como essencial para o andamento do agronegócio do país.

Notícias relacionadas