Super banner
Super banner

Polícia Civil diz que Túlio Maneira foi executado

Polícia Civil diz que Túlio Maneira foi executado

Heli Andrade, delegado Regional de Araxá - Foto: Diário de Araxá

Da Redação – A Polícia Civil (PC) investiga o assassinato do assessor político Túlio Maneira (Tulinho), morto na noite de sábado (25) quando chegava em casa, no Centro de Araxá. Há uma mobilização de vários policiais que trabalham na linha de que o crime trata-se de uma execução. Este foi o quarto homicídio ocorrido em Araxá em 2012. Os três crimes de janeiro já foram solucionados pela Polícia Civil.

De acordo com Heli Andrade, delegado Regional, a intenção é chegar ao autor o mais rápido possível. “Nós fizemos uma mobilização de vários policiais. O doutor Vitor Hugo (delegado de Crimes Contra a Vida) está com o inquérito e estamos trabalhando intensamente com a missão de resolver esse mistério o mais rápido possível”, diz.

“Nós tivemos quatro homicídios neste ano e os três primeiros foram resolvidos. Não vai ser esse do Túlio que nós não vamos conseguir. O elemento que fez isso tem que pagar, errou tem que pagar e a nossa missão é buscar todos os meios que tivermos e que não tivermos para identificar a autoria”, acrescenta.

Pela forma que aconteceu o assassinato, o delegado descarta uma tentativa de assalto. “Com toda certeza foi uma execução, não há como nós trabalharmos em outra linha”, afirma.

Heli Andrade afirma que homicídios geralmente acontecem por dinheiro, mulher, terra ou drogas. Segundo ele, não quer dizer que Tulinho Maneira estivesse envolvido em um dos casos, mas essas são as situações em que ocorre a maioria dos casos de homicídio. Uma possível vingança também não está descartada.

Pistas

A Polícia Civil procura por imagens de circuitos internos de TV em locais próximos à casa de Tulinho Maneira. De acordo com Heli Andrade, a cidade precisa entender a necessidade desses equipamentos para a segurança da população. “Para se ter ideia, a empresa de segurança que fica ao lado da casa não tem câmera de armazenamento externo. A polícia conta muito com a ajuda desses aparelhos”, relata.

Além disso, o grupo de investigação da PC já deu início às coletas de depoimentos de pessoas ligadas ao assessor para chegar a possíveis suspeitos.

Notícias relacionadas