População espera queda no preço da gasolina

População espera queda no preço da gasolina

Da Redação/Raphael Rios – O araxaense está assustado com o último aumento no preço da gasolina. O litro do combustível que estava na média de R$ 2,88 já passou da barreira histórica dos R$ 3 em alguns postos. A variação da gasolina na cidade está entre R$ 2,98 e R$ 3,01 e a pesquisa de preços pode favorecer o bolso dos consumidores. Mas o que eles esperam mesmo é por uma redução de valores.

A jornalista araxaense Anna Carolina Marques que atualmente mora em Uberlândia diz que na cidade do Triângulo Mineiro paga R$ 2,82 no litro. “Sempre encho o tanque do carro em Uberlândia antes de ir para Araxá, a não ser que minha mãe me conte de alguma promoção nos postos na cidade”, diz.

Ela espera que os preços caiam. “Acredito que vai cair sim, principalmente pelo acordo que a (presidente) Dilma (Rousseff) está fazendo. Os preços subiram porque o país está exportando muito açúcar”, destaca. 

Segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo do Estado de Minas Gerais (Minaspetro), nos últimos dias o litro da gasolina chegou aos postos R$ 0,18 mais caro. Com isso, não há como os empresários não repassarem para o consumidor, o que gera a alta que está passando dos R$ 3. 

Como os preços do álcool não estão compensando, os consumidores abandonaram o combustível e a procura pela gasolina subiu 20%, segundo o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis (Sindicom). Dessa forma, há um temor por parte do setor de que a gasolina não seja suficiente, fato negado pelo governo federal. 

A analista de mercado operacional, Suelen Cristina, tem um carro flex e diz que não vê benefício nenhum. Para ela os preços dos combustíveis estão muito caros. Ela conta que para não pesar tanto no orçamento teve de abrir mão de algumas coisas, como sair do trabalho para ir almoçar todos os dias.

De acordo com o gerente de Custos da Zema Companhia de Petróleo, Hélio Henrique da Costa, vários fatores influenciaram para a alta na gasolina. Ele destaca que as usinas estão preferindo exportar açúcar, e esse é um dos motivos que fez o álcool subir. Com o preço do álcool anidro mais caro a gasolina também sobe devido aos 25% misturados no combustível.

Outra questão que colaborou para o aumento do preço nas bombas foi as taxas do governo federal, que por um lado diminuiu ICMS do álcool hidratado, e por outro aumentou o imposto da gasolina de 25% para 27%.

Hélio afirma que excesso de demanda pela gasolina e o crescimento do poder de compra do brasileiro fez com que as vendas de carros crescessem bastante. Mais carros nas ruas significa mais procura pelo combustível.

O gerente acredita que os preços podem cair nas próximas semanas já que a nova safra de cana-de-açúcar está começando.

Notícias relacionadas