Presença de grandes atletas deixa disputa acirrada na Elite feminina em Araxá

Presença de grandes atletas deixa disputa acirrada na Elite feminina em Araxá

A Copa Internacional Levorin de Mountain Bike irá mudar os ares de Araxá entre os dias 4, 5 e 6 de março. Neste período a cidade irá respirar mountain bike e no Complexo do Barreiro, local onde acontece a prova, a energia será de disputa. Atletas estão vindo de diversas parte do mundo: Sérvia, Áustria, Polônia, Eslováquia, Israel, Suíça, Portugal, Estados Unidos, México e diversos da América do Sul. São competidores de 15 países que estão em busca de pontos para o ranking da União Ciclística Internacional (UCI), ranking que irá decidir quais serão os competidores dos Jogos Olímpicos 2016.

A disputa da Super Elite feminina será acirrada. Dentre as competidoras, a campeã de 2015, a mexicana Daniela Campuzano (foto), de 29 anos, que volta em busca do bicampeonato. Daniela foi campeã do Pan Americano de MTB 2015, que aconteceu em Cota, na Colômbia, o que garantiu vaga nos Jogos 2016 para a mexicana. Além dela, a polaca, Maja Włoszczowska, 32 anos, 5º melhor do mundo. No currículo a atleta tem dois Jogos Olímpicos, Atenas 2004 e Pequim 2008, sendo que ficou com a prata Olímpica nas terras chinesas. Já classificada para Rio 2016, Maja participou do evento-teste de Mountain Bike no último ano e ficou com o vice-campeonato. Na disputa as brasileiras Raíza Goulão e Isabella Lacerda estarão em buscam de pontos para a classificação dos Jogos Olímpicos.

Daniela Campuzano, 23º no ranking mundial, diz que voltar à Araxá é sempre surpreendente. “Araxá será minha primeira competição internacional deste ano, por isso estou muito animada para voltar, perceber como está minha preparação e marcar pontos que são muito importantes. Um dos principais desafios deste ano será o clima, lembrando a tempestade do de 2015 no último dia de prova. Em relação às adversarias vejo que 2016 vai ser mais emocionante”, completou.

A polaca Maja Włoszczowska contou que decidiu competir na CIMTB Levorin depois de uma conversa com a atleta brasileira Raíza Goulão. “Ela me disse que é um ótimo evento do MTB no Brasil e como estou treinando na Colômbia e já estou na América do Sul seria uma pena não aproveitar essa oportunidade. Claro que por ser uma um evento Stage Hors Classa (SHC) me encorajou também. Apesar de já estar classificada para os Jogos 2016, é sempre importante somar pontos para ter certeza que estarei na primeira fila Olímpica”, ressaltou.

Maja afirma que, assim como Daniela, esta será a primeira corrida da temporada. “Eu espero sofrer muito, especialmente porque não sou acostumada com temperaturas altas. Isso vai ser uma vantagem para as brasileiras. Eu vi que tem muitas garotas europeias também. Tenho certeza que não será uma corrida fácil”, finalizou.

A sueca Nathalie Schneitter, 29 anos, virá com a companheira de equipe, a Campeã Brasileira de MTB XCM,  Viviane Favery. “Eu estava procurando por uma prova forte para abrir a temporada em um lugar que tivesse um clima bom e uma experiência inesquecível. Eu e a Viviane pensamos em Araxá para construir um bom espírito de equipe também”, disse Nathalie, que foi campeã do Campeonato Suíço de Mountain Bike. Atualmente o país é o que mais tem pontos no ranking mundial.

A atleta brasileira, Raiza Goulão, afirma que a participação de diferentes países na CIMTB Levorin, é uma oportunidade de crescimento do esporte e das próprias atletas. “Acho muito importante para o crescimento do MTB brasileiro, e com certeza será ótimo para nós atletas, pois irá subir o nível da prova e termos um ritmo de competição internacional”, disse.

Para Isabella Lacerda, correr em casa é sempre uma vantagem e afirma que a presença de grandes atletas deixará a prova mais acirrada. “Para o evento é fantástico, a prova fica mais conhecida e isso pode atrair ainda mais atletas para os próximos anos. Em questão de desenvolvimento dos atletas brasileiros também é muito importante a presença de grandes atletas nas provas. Mas, como estamos na briga pela vaga dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, para nós brasileiros, não é muito interessante a presença deles. Precisamos dos pontos e quanto mais atletas mais difícil é a conquista dos mesmos. Mas, estaremos em casa e isso já é uma vantagem”, finalizou.

Atualmente, o Brasil está em 10º lugar no ranking mundial, o que dá ao país uma vaga para os Jogos 2016. Com isso, as atletas Raíza Goulão e Isabella Lacerda irão disputar a classificação.

O organizador do evento, Rogério Bernardes, afirma que a presença de grandes atletas fará com que 2016 seja um ano histórico para a CIMTB Levorin. “Acredito que este ano teremos as provas mais disputadas de toda a história. Grandes atletas promovem grandes emoções e o que não faltarão são atletas com currículos espetaculares em Araxá.”, afirmou.

Classificação Olímpica do Mountain Bike

Ao todo, os homens terão direito a 50 vagas, sendo que 41 delas serão conquistadas através do ranking da UCI e serão divididas da seguinte forma. Os 23 melhores países colocados no ranking mundial se classificarão para o mountain bike nos Jogos 2016, sendo que, os cinco melhores terão três vagas cada um, os países entre o sexto e 13º lugar conquistarão duas vagas, já aqueles que ficarem entre o 14º e 23º terão uma vaga cada.

Ao grupo feminino serão destinadas 30 vagas, sendo que 25 delas sairão do ranking da UCI. Os oito primeiros países terão direito a duas atletas cada e os nove seguintes, um representante cada. As outras vagas, tanto do feminino quanto do masculino, serão preenchidas através de campeonatos continentais.

Com a realização das Olimpíadas entre os dias 5 e 21 de agosto, a primeira e a segunda etapa da CIMTB Levorin serão decisivas no número de vagas e representantes na modalidade da competição. O ranking olímpico fechará no dia 24 de maio de 2016.

 

Notícias relacionadas

Deixe um comentário: