Primeiros moradores indenizados começam a deixar o Barreiro

Primeiros moradores indenizados começam a deixar o Barreiro

A desocupação dos bairros ao entorno da Estância Hidrotermal do Barreiro foi iniciada. Dez famílias já acertaram as negociações com a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) e receberam a primeira parcela das indenizações. Os moradores têm trinta dias para deixar o local e, após a demolição do imóvel, será paga a última parcela do acordo. A diretoria da Codemig já acertou verbalmente com mais 15 famílias e no próximo dia 14 volta a Araxá para assinar oficialmente os acordos.

Os imóveis das 156 famílias começaram a ser avaliados em março passado por técnicos da empresa Bretz Maciel Consultoria. O objetivo foi estabelecer uma base para a Codemig definir o valor das indenizações a serem pagas às famílias.

Elas vivem o problema da água imprópria para o consumo humano há mais de dois anos por causa da falta de infraestrutura básica. O agravante dessa situação é a falta de reconhecimento legal das áreas ocupadas que foram cedidas pelo Estado. O objetivo é a retirada de todas as famílias do complexo para que seja realizado um projeto turístico no local.

O vice-presidente da Codemig, Carlaile Pedrosa, considera que as negociações estão acontecendo com muita transparência. “Até o momento, foram pagas dez indenizações. A diretoria autorizou o pagamento de mais quinze, cuja quitação está prevista para acontecer na segunda quinzena de dezembro. Importante esclarecer que os interessados já foram informados desta decisão da empresa”, afirma.

“Além disso, outras vinte indenizações encontram-se em fase final de negociação. Como as negociações ocorrem de forma individual, onde cada caso é analisado a partir de suas peculiaridades, não há como fazer uma avaliação quantitativa pela média, porque temos aí diferentes parâmetros a serem considerados”, acrescenta o vice-presidente.

O presidente da Associação dos Moradores do Barreiro, Gilson Baltazar dos Santos, diz que a Codemig está cumprindo corretamente o que foi combinado com os moradores.

“As primeiras dez indenizações foram assinadas na última semana e serão pagas em duas parcelas. A primeira no ato da assinatura e a outra quando o morador deixar o imóvel. A partir do acordo assinado, a família tem trinta dias para deixar o local e a casa será imediatamente demolida”, explica.

Ele diz que mais dez acordos já estão acertados e serão pagos no próximo dia 14 de dezembro. “O valor médio que a Codemig está pagando é de R$ 85 mil. Claro que cada caso está sendo analisado, existem casas que valem R$ 150 mil e barracos avaliados em no máximo R$ 30 mil. São cerca de 40 moradias precárias, muito pequenas, que não vão oferecer uma boa indenização para os moradores e vamos solicitar a ajuda da Prefeitura de Araxá.”

Gilson acredita que até março de 2010 todas as negociações estejam acertadas. “A Codemig está analisando cada caso com muita responsabilidade para não tirar o morador daqui e deixar ele ir para a rua. Pela forma como está acontecendo o processo, a expectativa é que tudo esteja acertado em 2010”, destaca.

Notícias relacionadas