Segunda manifestação termina com onze pessoas detidas

Segunda manifestação termina com onze pessoas detidas

Fotos: Caio Aureliano e Willian Tardelli

Da Redação/Caio Aureliano – Araxá viveu o seu segundo manifesto na noite desta segunda-feira (24). A manifestação partiu da Avenida Antônio Carlos em número mais reduzido de pessoas do que na última sexta-feira (21) que reuniu, segundo a Polícia Militar (PM), mais de 3 mil  manifestantes. Ontem, a PM estima que o manifesto reuniu 300 pessoas.

A manifestação foi focada na reivindicação por uma passagem de ônibus coletivo mais acessível para todos. Atualmente, a tarifa é de R$ 2,65, considerada cara pelos manifestantes. “A gente está cansado. Nós estamos com os estudantes aqui com o intuito de melhorar as condições dos trabalhadores da Vera Cruz, Passe Livre, diminuição da passagem de ônibus. Vamos continuar na rua até que as nossas reivindicações sejam atendidas. Queremos o preço da passagem em R$ 2,10”, diz uma das manifestantes Priscila Anom.

O grupo composto por cerca de 300 pessoas percorreu as avenidas Antonio Carlos, Vereador João Senna, Amazonas e Ministro Olavo Drummond. O trajeto foi acompanhado pela PM, que em alguns casos teve que intervir, pois os manifestantes estavam impedindo o fluxo do trânsito e em alguns casos estavam parando os veículos.

Os ônibus de transporte coletivo da cidade, mais uma vez foram alvo dos manifestantes que impediram muitos deles de continuarem seus trajetos. A PM entrou em ação e desviou as linhas para evitar incidentes.

Quando o grupo chegou ao bairro São Geraldo, em frente à empresa de transporte coletivo da cidade, houve confronto com policiais sendo necessária a intervenção da Tropa de Choque da PM.

Tudo começou quando um grupo isolado de manifestantes entrou em um terreno de uma empresa localizada naquele local e pegou um pneu e várias peças de madeiras. A intenção do grupo era colocar fogo nestes materiais na via, impedindo o trânsito dos veículos. A PM, que estava acompanhando de longe as manifestações, teve que intervir gerando assim um conflito.

“São movimentos que não vão alterar em nada. O que se tirou de proveito dessa passeata de sexta-feira? Nada. Hoje (24) tem uma molecada aqui na rua, a maioria está aqui para tirar foto e colocar no Facebook amanhã. Então, não sabe aonde vão, não existe liderança, não sabe o que reivindica. Isso já virou uma baderna. A PM está aqui somente para garantir a segurança da população”, coloca o tenente coronel Ney Sávio de Oliveira, comandante do 37° Batalhão da Polícia Militar.

Vários manifestantes foram presos e apreendidos por desacato, danos ao patrimônio público e desordem. Ao todo foram apreendidos vários matérias, como bombas, algumas peças de madeiras, sinalizadores, pedras e 11 pessoas conduzidas para a Delegacia de Policia Civil de Araxá, onde foram apresentadas ao delegado de plantão para as providencias cabíveis.

Notícias relacionadas