Seminário no Uniaraxá debate Gênero e Sexualidade

Seminário no Uniaraxá debate Gênero e Sexualidade

Mais uma parceria contribuiu para o alcance de ótimos resultados no Uniaraxá. Juntamente com o Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais, o Centro Universitário realizou, no último dia 19/03, o Seminário DESconstruindo a “Ideologia de Gênero”. O evento reuniu profissionais e estudantes de Psicologia, bem como profissionais de outras áreas; tanto de Araxá como de cidades da região.

De acordo com a Resolução CFP Nº 01/99, de 22 de Março de 1999, os Psicólogos devem atuar segundo os princípios éticos da profissão; pautando-se a não discriminação e a promoção do bem-estar das pessoas e da humanidade;  contribuindo, assim, tanto para o conhecimento como para uma reflexão sobre o preconceito e o desaparecimento de discriminações e estigmatizações contra aqueles que apresentam comportamentos ou práticas homoeróticas.

O Seminário debateu questões importantes sobre a temática de Gênero e Sexualidade; entre elas a patologização de comportamentos e práticas homossexuais; serviços que propõem o tratamento e a cura das homossexualidades. A Mesa do Evento foi composta por profissionais que vêm desempenhando, em suas áreas de Conhecimento, papéis importantes na conscientização e orientação sobre as questões de Gênero e Sexualidade.

Com a mediação de Aparecida Cruvinel, Conselheira do CRP-MG; as profissionais Dalcira Ferrão, Presidenta do CRP-MG e Integrante da Comissão de Psicologia, Gênero e Diversidade Sexual; Junia Araújo, responsável pela assistência psicológica, no Centro de Referência e Atenção Integral à Saúde Trans-específica, do Hospital de Clínicas de Uberlândia (MG); Camila Resende, Presidenta das Comissões Diversidade Sexual e OAB Jovem da 14ª Subseção – Uberaba(MG). As profissionais levaram ao público diversas informações relevantes sobre o tema; agregando, assim, ainda mais conhecimentos aos presentes no evento. Num segundo momento, a Mesa foi composta pela Professora do Uniaraxá e Doutora em Educação, Maria Celeste Andrade e pela Coordenadora do Núcleo de Diversidade Sexual da Prefeitura de Uberlândia(MG), Sayonara Nogueira; a qual apresentou dados estatísticos importantes, referentes à População Trans e Travesti.

Esclareceram que Pessoas Transgêneros ou Transexuais são aquelas cujo gênero difere do imposto em seu nascimento; e, destacaram que as estatísticas apontam que a cada 48 horas uma pessoa trans é assassinada no Brasil; tornando-se, dessa forma, o país que mais mata Travestis e Transexuais no mundo.

Destacaram, também, que outros dados são ainda mais alarmantes e representam a cultura preconceituosa que marginaliza a População Trans no Brasil. Segundo as estatísticas, a expectativa de vida média, no país para pessoas Trans, é de 35 anos; sendo que 96% já sofreram violência física; 95% sofreram violência psicológica; 47% já foram estupradas; 45% foram expulsas de casa ainda menores de idade; 67% são pretas ou pardas; e, 91% não passaram do Ensino Médio.

O Uniaraxá, por meio da promoção de uma Educação Cidadã, da Ética e do Respeito às Pessoas, traz, em sua cultura, a valorização do indivíduo e o respeito às diferenças como forma de cumprir, integralmente, a sua Missão Institucional. Sendo assim, acredita que eventos como esse sejam de crucial importância para a construção de conhecimentos não só dos Alunos e Alunas, mas também da Comunidade onde está inserido. Acredita, ainda, que discussões dessa natureza possam contribuir para a construção de uma sociedade mais igualitária, justa, humana e livre de quaisquer preconceitos.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *