Sempre Um Papo em Araxá recebe Luís Giffoni no dia 13

Sempre Um Papo em Araxá recebe Luís Giffoni no dia 13

O escritor Luís Giffoni é o convidado do Sempre Um Papo e do Circuito CBMM de Cultura para debate do tema “A Leitura e o Cérebro” e lançamento do livro de ensaios e crônicas “O Fascínio do Nada” (Ed.Pulsar). No encontro, o autor mostra como a leitura interage com o cérebro, seus benefícios para os neurônios e pesquisas recentes sobre o assunto. Questiona, também, a cultura da mediocridade que desemboca na mediocridade da cultura. A leitura, para Giffoni, é uma questão de saúde pública.

O evento ocorre na próxima segunda-feira (13), às 19h30, no Centro de Convivência do Uniaraxá – avenida Ministro Olavo Drummond, 5, bairro São Geraldo.  A entrada é gratuita.

O Fascínio do Nada, por Cristina Agostinho

No quadro atual da literatura brasileira, Luís Giffoni é um espécime raro. Um escritor que ultrapassa os marcos habituais de referência, tanto pelo conhecimento que domina como pela facilidade com que transita pelos diversos gêneros literários. Além de escritor, Luís Giffoni poderia ter sido cientista, crítico de arte, de literatura, de música, tal a sua capacidade de apreensão. “O Fascínio do Nada” é a mais clarividente prova disso. Nesta coletânea de pequenos ensaios/crônicas, com curiosidade, singular valentia crítica e lucidez intelectual, ele examina um caleidoscópio de temas e pontua questões que nos confrontam com a realidade do século 21, no Brasil e no mundo.

Os modelos de educação vigentes, o papel da cultura do fácil na sociedade virtual que privilegia a banalidade, a superficialidade e o excesso de informação, minando a capacidade crítica, terreno fértil para a manipulação; os paradigmas, conceitos e costumes que ao longo do tempo se esfumam na vala dos modismos de época, destino previsível do desenfreado consumismo atual; a voracidade imperialista norte-americana que se realimenta para seguir brandindo seu autoproclamado “Destino Manifesto”; as descobertas científicas que expandiram as fronteiras do Universo e nos reduziram a nada em termos cosmológicos, golpe fatal nas nossas pretensões antropocêntricas.

Num diálogo permanente com o leitor e num estilo muito pessoal, vivo e sagaz, ao mesmo tempo em que analisa as perplexidades do novo milênio, Luís Giffoni enriquece o saber humanístico em ensaios críticos sobre pintura e literatura. Um quadro de Dominique Ingres, além do prazer estético, pode ser uma lição de arte, de mundo e de comportamento; os ensaios de Michel de Montaigne nos dão a exata dimensão de nossa miopia e pequenez diante da diversidade; o biólogo inglês Richard Dawkins, propagador do ceticismo religioso, em seu aclamado e vilipendiado livro “Deus, um Delírio”, demonstra a atualidade das teorias de Darwin, objeto de outro ensaio; “Viagem à Itália”, de Goethe, é um exemplo de mente aberta, de vasta curiosidade e erudição, de um explorador de geografias e ideias do mesmo naipe que seu compatriota Thomas Mann, autor do monumental “A Montanha Mágica”, também analisado.

Nos ensaios de Luís Giffoni vislumbram-se outras maneiras de refletir sobre nosso tempo e tomamos consciência de que precisamos recuperar nossa capacidade de crítica e questionamento. Porque, como bem disse José Bergamin, “se há má-fé, por que não existirá uma boa dúvida?”

Sobre o convidado

Luís Giffoni nasceu em Baependi. Mora em Belo Horizonte.Tem 21 livros publicados, dentre eles: “O Fascínio do Nada”, “O Pastor das Sombras”, “Dom Frei Manoel da Cruz”, “O Reino dos Puxões de Orelha”, “China – O Despertar do Dragão”, “Retalhos do Mundo”, “Infinito em Pó”, “O Poeta e o Quasar”, “Riscos da Eternidade”, “Os Chinelos de Raposa Polar”, “A Verdade tem Olhos Verdes”, “Adágio para o Silêncio”, “A Árvore dos Ossos”, “Tinta de Sangue”, “Os Pássaros são Eternos”, “O Ovo de Ádax” e “A Jaula Inquieta”.

Recebeu várias premiações e indicações, como da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), Bienal Nestlé, Prêmio Minas de Cultura – Prêmio Henriqueta Lisboa, Prêmio Nacional de Romance e Prêmio Nacional de Contos Cidade de Belo Horizonte, Prêmio Jabuti de Romance.

Suas obras ganharam estudos, traduções e adaptações nos Estados Unidos, Inglaterra, México, Argentina, Portugal, Alemanha e Brasil.

Serviço

Sempre um Papo com Luís Giffoni

Dia 13 de junho, segunda-feira, às 19h30

Local: Centro de Convivência do Uniaraxá

Informações: www.sempreumpapo.com.br / (34) 3632.1486.

Notícias relacionadas