Super banner
Super banner

Toninho Barbosão defende renovação e descarta aliança com grupos antigos

Toninho Barbosão defende renovação e descarta aliança com grupos antigos

O pré-candidato a prefeito pelo PT, Toninho Barbosão - Foto: Daniel Honorato

Da Redação/Jorge Mourão – O Diário de Araxá inaugura uma série de reportagens para levar ao leitor o que vem sendo repercutido nos movimentados bastidores políticos de Araxá face às próximas Eleições Municipais 2012, que acontece no dia 7 de outubro. Na edição desta quinta-feira (11), o pré-candidato a prefeito pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Antônio Ferreira Barbosa, o Toninho Barbosão, fala sobre a nova trajetória de seu partido rumo ao Executivo e ao Legislativo, além de alternativas para o desenvolvimento econômico de Araxá que, segundo ele, está estagnado em relação a diversas cidades vizinhas.

Com expressivos 11.688 votos nas últimas eleições quando se candidatou à prefeitura, Toninho Barbosão afirma que o momento agora é de renovação, dentro de uma visão empresarial e estratégica, e não pretende compor com os dois grupos que governaram ou governam a cidade nos últimos anos, que o desejam como vice-prefeito.

Além disso, o pré-candidato afirma que o PT está costurando uma frente com outros partidos, diferentemente da vez passada quando lançou chapa pura, visando não só o Executivo como o Legislativo. Alguns (não falou de números) partidos já estariam fechados, os acordos ainda são informais, mesmo porque o Congresso ainda não definiu, e pode não definir a tempo, a Reforma Política para o próximo pleito. Confira a entrevista com o pré-candidato.

Diário de Araxá: Qual está sendo o atual trabalho do PT em Araxá visando às próximas Eleições Municipais?

Toninho Barbosão: O Partido dos Trabalhadores está a todo vapor no sentido de realmente desenvolver um trabalho muito bom nas próximas eleições. Está neste momento tratando-se das articulações para a campanha majoritária, e já também em seu time de candidatos a vereadores, diga-se de passagem, está sendo bem-sucedida até o momento. O partido tem filiado muitas pessoas novas, pessoas que participaram no pleito anterior por outras legendas e que tiveram votações expressivas, ou seja, um time muito bom. Já estamos até com certas dificuldades em escalar os 22 candidatos que o PT terá, ou mais, se por ventura for permitida as coligações.

Diário de Araxá: Qual a expectativa do partido, que há muito tempo não tem representante no Legislativo, em relação ao pleito para a Câmara Municipal, principalmente agora que as 15 vagas voltaram?

Toninho Barbosão: O partido se encontra em Araxá bem mais estruturado, bem mais organizado, e agora a coisa está sendo feita de forma planejada. Estamos com as portas abertas, muitas pessoas se filiaram recentemente, temos um time razoável para a gente possa fazer pelo menos duas cadeiras ou mais. Temos cerca de 30 pessoas que imaginamos estarem na média de 400 votos cada uma, o que já é suficiente para conquistarmos uma ou duas cadeiras. Eu acredito que desta vez dificilmente deixaremos de fazer cadeiras no Legislativo de Araxá. A nossa candidatura deverá crescer bastante, como cresceu nas últimas eleições, e a partir do momento que a gente começar a passar para as pessoas as nossas ideias no sentido realmente de fazer uma transformação. Acredito que somará e tomará um rumo geométrico de fazer muitas cadeiras, além de eleger o prefeito desta cidade.

Diário de Araxá: Já que o senhor tocou no ponto candidatura à prefeitura, o PT pensa novamente em lançar chapa pura, a exemplo das eleições passadas, ou desta vez vai compor com outros partidos?

Toninho Barbosão: Não tenho a menor dúvida que vamos estar com outros partidos. Nas últimas eleições saímos sozinho (quando se candidatou a prefeito e teve o advogado Eduardo Diniz como vice), talvez foi até uma imposição das circunstâncias porque foi de última hora, faltando dois meses para as eleições. Quando decidimos realmente a lançar um candidato, as portas já estavam fechadas. Todas as articulações e alianças já haviam sido feitas. Praticamente não sobrou ninguém para poder somar com a gente. Agora a coisa é diferente. Estamos planejando há um determinado tempo e estamos executando no sentido de formamos uma frente ampla com diversos outros partidos, o que já está acontecendo, envolvendo todas as instituições, entidades e pessoas que realmente estejam querendo uma renovação na cidade de Araxá.

Diário de Araxá: Já está fechado com algum partido?

Toninho Barbosão: Normalmente as alianças são fechadas na época correta, que seria uns seis meses antes das eleições, mas informalmente estamos fechados com alguns partidos. Desta vez devemos sair com uma frente, talvez uma frente da renovação que é um sentido que a gente está captando junto à população de Araxá. A gente percebe que há muitos anos são dois grupos políticos que brigam pela Prefeitura de Araxá, e todas as vezes que um grupo entra ele destrói tudo que o outro fez na gestão anterior e começa tudo de novo, e vice-versa. Com isso a cidade não sai lugar, virou um círculo vicioso de constrói destrói que não está nos levando a nada. Vimos aí Uberlândia e Uberaba deslanchando, as cidades vizinhas crescendo e se desenvolvendo, e Araxá está praticamente estagnada basicamente em função da briga desses dois grupos políticos antigos da cidade. A gente tem captado um sentimento muito grande junto à população de Araxá de uma renovação. A população quer renovação, que entre uma pessoa que não se faça parte desses dois grupos e que possa aproveitar tudo de bom que eles fizeram, que realmente tenha um planejamento estratégico para o desenvolvimento da cidade, focado numa identidade que precisa ser criada. Com isso, a gente pode estrategicamente fazer com que Araxá cresça e entre novamente nos trilhos dessas cidades em nossa volta.

Diário de Araxá: No contraponto de sua defesa por uma renovação, qual a sua opinião em relação ao nome de Toninho Barbosão ser bastante sondado para ser vice pelos dois grupos que vêm governando a cidade nos últimos anos?

Toninho Barbosão: Eu não acredito que fazendo parte de um desses dois grupos as coisas irão mudar. Só mudarão com uma pessoa nova, com ideias novas e um grupo que realmente quer que as coisas sejam novas, que haja quebra de paradigmas, que haja uma mudança estrutural na forma de administrar a prefeitura, o que hoje é feita de uma forma muito política. As pessoas eleitas entram e dividem os departamentos e as secretarias entre partidos aliados sem nenhuma avaliação técnica. Isso faz com que as pessoas simplesmente estejam lá para ocupar cargos e serem recompensados, talvez, por um trabalham que fizeram para a pessoa que foi eleita. Isso não nos leva a nada em relação a desenvolvimento, criação e planejamento de uma cidade onde a gente possa realmente ter qualidade de vida, possa ser bem planejada com relação ao urbanismo, e a gente realmente ter orgulho de ter uma cidade bonita, atraente, focada numa indústria que possa se desenvolver como, por exemplo, a indústria da inteligência (tecnologia da informação). Araxá é uma cidade turística, tem suas águas, qualidade de vida excepcional, baixo índice de violência, e a gente poderia desenvolver uma indústria de prestação de serviços inteligentes, como a gente vê hoje na Índia e na China em cidades do porte de Araxá fazendo isso para o mundo inteiro.

Diário de Araxá: Por exemplo?

Toninho Barbosão: Temos mais de 30 milhões de norte-americanos fazendo o seu imposto de renda em pequenas cidades indianas. Por que não fazer isso aqui? É um serviço que traz uma renda per capita excepcional, é serviço caro, que não exige uma infraestrutura grande porque Araxá também não tem energia para atrair grandes indústrias, não temos água, não temos nenhuma tubulação de gás chegando aqui. Então temos que estrategicamente usar todo o potencial da cidade para atrair esse tipo de indústria, os investimentos seriam relativamente pequenos, em canais de logística pequenos em termo de comunicação, hoje praticamente é tudo via satélite e fibras ópticas, acho que Araxá tem tudo para atrair. Deveria focar nesse lado, a gente teria indústrias que não poluem e gerariam muitos empregos. Em Uberlândia temos exemplos de call centers que empregam 5 mil pessoas em um único galpão. Delas há muitos estudantes que estão melhorando a sua renda familiar, que têm oportunidade do primeiro emprego e independência em seus estudos. Não adianta querermos atrair grandes indústrias se não temos condições de dar suporte.

Diário de Araxá: Como seria o planejamento para atrair essas chamadas indústrias da inteligência?

Toninho Barbosão: Araxá precisa de alguém que realmente monte um plano de desenvolvimento estratégico que transcenda qualquer prefeito que entrar, que funcione de forma paralela, talvez até por uma agência de desenvolvimento para que esse projeto nunca seja interrompido, e que tenha um prefeito que dê liberdade dessa agência trabalhar. Vemos cidades bem planejadas que são cases de sucesso no mundo todo, principalmente na Europa, e percebemos que foram projetos elaborados para 15, 20 anos e que nenhum prefeito teve coragem de interrompê-los, muito pelo contrário, deram maior força. É isso que precisamos fazer em Araxá, é parar com essa briga política, é fazer mais uma gestão empresarial das políticas públicas, é transformar as secretarias em verdadeiros departamentos, com gestores realmente capazes de executarem as ações que precisam ser executadas para que Araxá melhore em cada ponto, com metas traçadas, medidas no tempo e no espaço. Se essas ações não acontecerem em um tempo determinado, escolhe-se outro gestor como uma empresa realmente funcionam. Aí as coisas vão andar. Não podemos ficar dependendo de duas mineradoras, elas têm sua vida útil, nossas minas são limitadas. Daqui há uns dias vão chegar para nós e falar que acabou o nióbio, acabou o fertilizante, e vão embora. O que vamos fazer em nossa cidade se não desenvolvermos paralelamente qualquer outro tipo de atividade que possam substituí-las no futuro?

Notícias relacionadas