Tribunal do Uniaraxá recebe pela primeira vez um júri popular real

Tribunal do Uniaraxá recebe pela primeira vez um júri popular real

Inaugurado no segundo semestre do ano passado, o Tribunal do Júri do Centro Universitário do Planalto de Araxá (Uniaraxá) recebeu pela primeira vez um julgamento real por júri popular, conduzida na manhã de hoje (19) pelo magistrado Renato Zouain Zupo, diretor do Fórum de Araxá. Na pauta, o réu Marcos Júlio de Carvalho é acusado por tentativa de homicídio qualificado na avenida vereador João Sena em setembro de 2007, quando desferiu golpes de facada no pescoço de uma mulher.

De acordo com o reitor do Uniaraxá, Válter Gomes, o objetivo da realização de um júri popular real na instituição é propiciar aos alunos do curso de Direito a vivência da prática. “Nós já tivemos dois júris simulados desde a inauguração do nosso tribunal e agora os alunos contaram com uma aula prática de um ato real. Ficamos muito felizes com esta oportunidade”, destaca.

O reitor acrescenta que a estrutura oferecida pelo Tribunal do Júri do Uniaraxá proporcionou a parceria com o Poder Judiciário local para receber um julgamento real. “Temos uma estrutura muito bem montada, bastante elogiada e que serve, inclusive, para receber outros eventos que a instituição promove”, ressalta Válter, confiante de que o Uniaraxá irá sediar outros júris populares.

Zupo explica que a realização da primeira sessão plenária no Tribunal do Júri do Uniaraxá foi possível pela cooperação e coordenação entre o Poder Judiciário e a reitoria da instituição. “É uma maneira que a gente tem de prestigiar tanto os trabalhos do Uniaraxá quanto de trazer uma noção exata de um júri para os alunos de Direito, uma juventude que irá dominar os fóruns de todo o país”, destaca o juiz.

“A realização de um júri real é uma oportunidade preciosa porque a gente tem a chance de acompanhar o trabalho do magistrado e do promotor de Justiça, além de sentir um pouco da energia que o réu enfrenta, bem como as testemunhas”, destaca o estudante do 7° período de Direito, Igor Faria de Carvalho, que também atua como escrevente estagiário no Fórum de Araxá.

Série de julgamentos

O júri popular realizado no Tribunal do Uniaraxá encerra mais uma série de julgamentos (cinco casos) que foi iniciada na última segunda-feira (15); os júris anteriores aconteceram no Juizado Especial da avenida Getúlio Vargas. O balanço desta série você confere a partir da próxima semana no Diário de Araxá.

Notícias relacionadas