Unidades de Saúde de Araxá realizam campanha para atualizar caderneta de vacinação

Unidades de Saúde de Araxá realizam campanha para atualizar caderneta de vacinação

Começou hoje (19) a Campanha Nacional de Multivacinação em todo o país para atualizar a caderneta de vacinação de crianças e adolescentes. O público-alvo da mobilização são crianças menores de 5 anos e crianças e adolescentes de 9 anos a 15 anos.

O Dia D de mobilização nacional está marcado para o próximo sábado (24), quando os postos de saúde estarão abertos para atender aos que tiverem dificuldades de comparecer em horário comercial. A campanha segue até 30 de setembro em cerca de 36 mil postos fixos em todo o Brasil. Ao todo, 350 mil profissionais participam da ação.

De acordo com o Ministério da Saúde, foram enviadas a todas as unidades da Federação 26,8 milhões de doses – incluindo 7,6 milhões para a vacinação de rotina de setembro e 19,2 milhões de doses extras para a campanha.

Em Araxá, os atendimentos estão sendo realizados no Centro de Vacinação (8h às 16h50), Unileste (7h30 às 13h), Uninorte (8h às 12h), Unisul (8h às 12h30), Uniunordeste (7h30 às 12h30) e Unisa (segundas, quartas e sextas, das 7h30 às 11h e 13h às 16h, e terças e quintas, das 7h30 às 12h30).

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, todas as vacinas estipuladas pela campanha estão disponíveis.

Atualização da caderneta

O objetivo da ação é combater a ocorrência de doenças imunopreveníveis no país e reduzir os índices de abandono à vacinação – principalmente entre adolescentes.

Mudanças no calendário de vacinação

Em janeiro deste ano, o Ministério da Saúde alterou o esquema vacinal de quatro vacinas: poliomielite, HPV, meningocócica C (conjugada) e pneumocócica 10 valente.

O esquema vacinal contra a poliomielite passou a ser de três doses da vacina injetável (2, 4 e 6 meses) e mais duas doses de reforço com a vacina oral. Até 2015, o esquema era de duas doses injetáveis e três orais.

Já a vacinação contra o HPV passou de três para duas doses, com intervalo de seis meses entre elas para meninas saudáveis de 9 a 14 anos. Meninas de 9 a 26 anos que vivem com HIV devem continuar recebendo o esquema de três doses.

No caso da meningocócica C, o reforço, que era administrado aos 15 meses, passou a ser feito preferencialmente aos 12 meses, podendo ser feito até os 4 anos. As primeiras duas doses continuam sendo realizadas aos 3 e 5 meses.

A pneumocócica sofreu redução de uma dose e passou a ser administrada em duas (2 e 4 meses), com um reforço preferencialmente aos 12 meses, mas que pode ser recebido até os 4 anos.

Vacinação para crianças menores de 5 anos

Crianças menores de 5 anos devem ter o cartão de vacinação atualizado durante a Campanha de Multivacinação. Para isso, basta que pais, familiares e responsáveis levem os pequenos à Unidade Básica de Saúde mais próxima. Ao todo, 13 vacinas diferentes poderão ser atualizadas durante a campanha, incluindo a que oferece proteção contra a poliomielite.

Sarampo, caxumba, rubéola, febre amarela e varicela (catapora) são outras doenças que podem ser prevenidas com a atualização do cartão de vacinas. Confira quais são as vacinas indicadas para as crianças menores de 5 anos. Veja abaixo quais são as vacinas indicadas para este público.

vacinacao1_190916

Vacinação para crianças e adolescentes entre 9 e 14 anos

Quem tem entre 9 e 14 anos também está contemplado na Campanha Nacional de Multivacinação.  Com relação ao público compreendido dentro dessa faixa etária, as doenças preveníveis com a vacina são: hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba, rubéola, difteria, tétano, coqueluche e, no caso das meninas, HPV. Veja abaixo quais são as vacinas indicadas para este público.

vacinacao2_190916

Cartão de vacinação

Para quem estiver sem o cartão, por motivo de perda ou outro motivo, a orientação é procurar a unidade básica de saúde onde a criança ou adolescente costuma se vacinar, pois lá terá o cartão espelho, documento que fica arquivado com os registros de doses que foram aplicadas, bem como as doses que deverão ser administradas. Caso contrário, deverá ser iniciado todo um esquema, de acordo com a faixa etária correspondente.

Vale reforçar que o cartão de vacinação é um documento de grande importância aos serviços de saúde e, diante disso, precisa ser bem conservado e preservado.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário: