Universidades podem mudar datas de vestibulares por causa do Enem

Universidades podem mudar datas de vestibulares por causa do Enem

As instituições que irão utilizar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como forma de seleção estão dispostas a fazer mudanças em seus calendários desde que não haja atraso no início das aulas em 2010. As universidades e institutos federais só irão decidir se farão alterações em seus calendários após a definição da nova data do exame, que será amanhã (7).

O Enem foi adiado após vazamento da prova, que seria aplicada no último fim de semana. De acordo com o presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Alan Barbiero, após a definição, cada universidade definirá o que fará em seu calendário de seleção.

“Queremos garantir o sucesso do Enem, mas é claro que temos grande preocupação de garantir o ingresso no início do primeiro semestre”, afirma.

Com o adiamento do Enem, o exame provavelmente vai coincidir com vestibulares de universidades federais. Segundo Barbiero, o MEC apresentou um levantamento com as datas de todas as seleções do país. O objetivo é buscar uma data que tenha impacto menor para instituições e alunos.

“A definição da data é uma responsabilidade do MEC. O que vamos fazer é buscar adequação do calendário. Vamos fazer um esforço para fazer adequação, umas [universidades] vão se adequar, outras não”, diz Barbiero.

Apesar da indefinição e da garantia de autonomia às universidades, que poderão inclusive deixar de utilizar a notas do Enem, Barbiero afirma que há, entre os reitores, “um sentimento coletivo” de manter a adesão ao exame nacional.

“Cada universidade participou de forma autônoma (na adesão do Enem), qualquer mudança será decisão de cada universidade. O que posso afirmar é que um existe sentimento coletivo de confiança e de apoio ao MEC de que vamos utilizar o Enem”, afirma.

Até agora, nenhuma universidade ou instituto federal desistiu de utilizar o Enem na seleção de estudantes, segundo a Andifes e o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (Conif), que reiteram o apoio ao MEC. “Temos que ter disposição de fazer ajustes nos nossos calendários”, diz o presidente do Conif, Paulo Cesar Pereira.

Com informações da Abr

Notícias relacionadas