Super banner
Super banner

Vereadores sentem na pele as dificuldades dos deficientes

Vereadores sentem na pele as dificuldades dos deficientes

Os vereadores de Araxá participaram do Dia de Vivência na tarde desta quarta-feira (18). O presidente da Câmara Municipal, Carlos Roberto Rosa, Edna Castro, Márcio de Paula, César Romero da Silva (Garrado) e José Maria Lemos Júnior sentiram na pele as dificuldades de um portador de deficiência pela avenida Antônio Carlos e rua Presidente Olegário Maciel. Os vereadores que não participaram foram representados por seus assessores.

A ação faz parte das comemorações 10ª Semana da Pessoa com Deficiência e dos 25 anos da Associação de Assistência à Pessoa com Deficiência (Fada). Quando utilizaram cadeiras de rodas, só conseguiram subir nas esquinas que não tinham rampas de acesso com ajuda de pessoas e tiveram dificuldades em transitar nos estabelecimentos comerciais. Já com os olhos vendados, nem a bengala para cegos ajudou e só conseguiram andar com a ajuda de um guia.

“É uma situação muito difícil e mais complexa ainda em sentir o que os deficientes sentem. É preciso que seja feito um trabalho de conscientização da população no sentido de ajudar e facilitar a vida dessas pessoas. Tivemos a oportunidade de mostrar a situação desse pessoal”, afirma o presidente da Câmara.

Os portadores de deficiência reclamam principalmente da falta de acessibilidade nos prédios públicos de Araxá como o da Câmara Municipal.

“A futura sede da Câmara vai ter acessibilidade total. No prédio atual tentamos colocar um elevador, mas não deu certo, e não podemos tirar a escada de acesso ao plenário e substituir por rampas porque ele é tombado” explica Roberto.

A coordenadora de Projetos da Fada, Liliane Fonseca Stefani, destaca que a participação dos vereadores vai facilitar uma visão maior das dificuldade de acessibilidade em Araxá.

“A gente acredita que a visão em cima de projetos dentro da acessibilidade vai ser ampliada por eles, que vão ter mais condições de criar novos projetos para o município. Há muita coisa a ser feita e não podemos apenas pensar na acessibilidade da pessoa com deficiência, mas do obeso, do idoso, da mãe que tem dificuldade em andar nos passeios com o carrinho do bebê, ou seja, na acessibilidade universal”, diz Liliane.

Notícias relacionadas