Casa do Pequeno Jardineiro forma duas novas turmas

Casa do Pequeno Jardineiro forma duas novas turmas

O sentimento de gratidão esteve em evidência durante a primeira formatura dos adolescentes do projeto Casa do Pequeno Jardineiro, na nova gestão municipal. Cerca de 20 participantes do programa desde outubro de 2015 e outros 40, que obtiveram formação socioambiental desde maio deste ano, receberam o diploma durante solenidade na noite de terça-feira, 21.

O evento foi prestigiado por familiares e amigos, educadores do programa, representantes da Fundação da Criança e do Adolescente de Araxá, militares e servidores da secretaria de Ação e Promoção Social, em especial da secretária Lídia Jordão.

O Pequeno Jardineiro é coordenado pela Secretaria Municipal de Ação e Promoção Social em parceria com a Fundação Maçônica de Araxá. Atende adolescentes de 14 a 17 anos, de ambos os sexos e devidamente matriculados em escolas araxaenses. O trabalho de caráter preventivo oferece formação integral através do contato com a natureza. As mudas produzidas são doadas para a população e plantadas na cidade. Os alunos recebem Bolsa Aprendizado, vale-transporte, atendimento à família e saúde, material hortodidático.

A estudante Jorgelane de Melo, de 16 anos, esteve no programa desde outubro de 2015. Ela destaca que o aprendizado extrapolou a lida com as plantas. Entre os frutos colhidos estão a amizade e o amadurecimento pessoal. “O projeto somou tudo na minha vida, porque aprendemos coisas para levarmos para a vida inteira; as pessoas nos acolhem como se fossemos filhos. É uma coisa maravilhosa. Eu acho muito interessante o aprendizado sobre as plantas e pretendo levar adiante. Despedir dos meus amigos é algo difícil, pois nos tornamos irmãos”, disse.

Orgulhosa da formatura, a mãe Regislanea Ribeiro reafirma a relevância que o período de trabalho no programa socioambiental teve para a filha. “Eu vi muita diferença desde que chegamos a Araxá e ela (Jorgelane) pediu para participar no Pequeno Jardineiro. É um incentivo a mais na vida dela, pois aumentou o interesse por tudo e a maturidade de prestar atenção nas coisas e agir com as pessoas”, destacou.

O agradecimento parte também de quem incentiva o programa, como é o caso da secretária Lídia Jordão, que destaca a capacitação profissional na véspera da vida adulta dos alunos e a importância de reforçar um coro pela igualdade.

“Desde que iniciamos nossa atuação na secretaria, nosso objetivo foi promover o ser humano em todas as suas etapas de vida. A adolescência é diferenciada, pois ela marca. Então quisemos fazer deste momento uma formação e comprovação de tudo que foi realizado e que tem agora a premiação de se destacar na sociedade como um pequeno profissional. Aprendemos com os participantes sobre a igualdade dos seres humanos, aquilo que está nos pequenos gestos de abraço, carinho, retribuição, entrega de uma muda de planta. Tudo isso traduz a igualdade e o que queremos provar é que somos iguais, independente da condição econômica ou social que temos hoje”, constatou.

A supervisora pedagógica Daniela Carvalho está no programa desde 2011, quando era estagiária. Para ela, presenciar os cerca de 60 alunos recebendo o diploma simboliza mais um dever cumprido em prol da formação dos adolescentes. O desenvolvimento se expandiu inclusive para a vida estudantil, ela assegura.

“É uma sensação única ver a felicidade destes meninos, sabermos que para muitos poderá ser a única formatura da vida deles, e fizemos tudo com muito amor e carinho. Criamos uma família de um envolvimento que eu nem sei como explicar. Além das atividades que fazemos, onde eles aprenderam muito das hortaliças, conseguimos uma melhora deles na escola também. Muitos deles chegaram aqui e nem sabiam escrever direito. Com o nosso trabalho e as provas que aplicamos, eles desenvolveram bastante”, avaliou.

Estar no programa desde maio de 2016 significou conhecer mais sobre responsabilidade para o estudante Jônata Gabriel, de 17 anos. Ele se diz grato pelas amizades que conquistou com outros alunos e educadores.

“Eles (integrantes do programa) nos ajudam a ter muita responsabilidade, e com isso fomos dedicando cada dia mais as atividades. O projeto ajudou, também, na formação da pessoa que eu sou, e vou levar isso adiante para os próximos empregos que eu tiver. Tenho um carinho por todos meus colegas do Pequeno Jardineiro e pelos educadores, que nos ajudaram tanto”, disse.

A diretora pedagógica Edna Resende Campos faz questão de agradecer a todos que apoiam o programa e reconhecem a importância de oferecer condições e atenção aos adolescentes. “É um momento muito gratificante vermos o crescimento dos adolescentes, a inclusão social preventiva. A gente pode até sonhar, mas precisa de alguém que acredite no nosso sonho. Tivemos este apoio da gestão, da secretaria. O que mais me emociona é a alegria e crescimento destes adolescentes como ser humano”, concluiu.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *