Super banner
Super banner

Indefinição na exploração de águas minerais gera preocupação na Assembleia

Indefinição na exploração de águas minerais gera preocupação na Assembleia

Indefinição na exploração de águas minerais gera preocupação na Assembleia 1

Deputados e autoridades municipais mostraram-se preocupados com as consequências do fim do contrato entre Copasa e Codemig para exploração das águas minerais de Araxá, Lambari, Caxambu e Cambuquira. Em audiência realizada nesta terça-feira (9/6/15) pela Comissão de Assuntos Municipais e Regionalização da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), os participantes criticaram a ausência de representantes das duas empresas estatais, o que motivou a apresentação de requerimento do deputado Dalmo Ribeiro Silva (PSDB) para que elas encaminhem à comissão informações sobre as circunstâncias do fim do contrato.

A Codemig é detentora da concessão das fontes dessas quatro estâncias hidrominerais. Em 2007, as concessões foram repassadas para a Copasa, que criou uma subsidiária, a Águas Minerais de Minas, para explorar essas águas minerais. No dia 14 de maio, a Copasa anunciou o fim do contrato com a Codemig. No entanto, no dia 1° de junho, as duas empresas fecharam um contrato tampão para a continuidade do envase até que outra empresa assuma a exploração das águas.

Autor do requerimento que motivou a audiência, o deputado Dalmo Ribeiro Silva questionou o porquê de a Codemig ter realizado um contrato tampão com a Copasa pelo prazo de um ano, considerando-se que o fim do contrato de concessão entre as empresas tinha sido anunciado poucos dias antes. Na busca de esclarecimentos sobre a questão, o parlamentar apresentou um requerimento para que as empresas enviem à comissão as cópias dos contratos firmados para exploração das águas minerais, bem como dos termos do fim do contrato e também do contrato tampão.

O parlamentar ainda se disse decepcionado com a ausência de um representante do governo na audiência, o que considerou como um descaso com os municípios que, até o momento, não têm esclarecimentos sobre o que aconteceu e sobre o que será feito a partir de agora. Durante entrevista, o deputado disse que, caso a Copasa não esteja realmente disposta a renovar o contrato, uma alternativa viável seria a licitação da exploração das águas minerais, como aconteceu em São Lourenço, por meio da Nestlé.

O deputado Bosco (PTdoB) lembrou que no governo passado esteve por várias vezes em diálogo com a Copasa para discutir alternativas que possibilitassem maior competitividade das águas minerais do Estado. Ele disse que, no caso de Araxá, foram discutidas opções de comercialização das águas, bem como a criação de alternativas de engarrafamento em galões e copos, o que, segundo ele, poderia aumentar a lucratividade da operação.

“O que sempre ouvimos da Copasa era que o processo estava deficitário e não rendia lucros. Acredito que esse rompimento pode ser devido à inviabilidade econômica do processo”, ressaltou o deputado Bosco. Por outro lado, o parlamentar considerou que, diante da atual crise hídrica, Minas Gerais tem o privilégio de ter inúmeras fontes de água saudável, o que, na sua avaliação, deve ser potencializado. Como uma forma de obter mais esclarecimentos sobre o assunto, o deputado apresentou um requerimento para que a comissão visite a presidência da Codemig.

O deputado Wander Borges (PSB) também lamentou a ausência do governo e reforçou a importância do debate ao dizer que o assunto tem um viés econômico para as quatro estâncias hidrominerais.

Notícias relacionadas