Super banner
Super banner

Insatisfeitos com mudanças, funcionários da Vale ameaçam entrar em greve

Insatisfeitos com mudanças, funcionários da Vale ameaçam entrar em greve

Funcionários concentrados na porta do Sima - Foto: Willian Tardelli

Funcionários da Vale Fertilizantes de Araxá e Tapira ameaçam entrar em greve por causa de descumprido de acordo de turno firmado em 2014 com o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Extração de Metais Básicos e Minerais Não Metálicos de Araxá (Sima).

O descumprimento do acordo que inicialmente ocorreu nas minas agora se estendeu para os setores de usina, laboratório e manutenção. Houve mobilização na sede do Sima durante o fim de semana e uma reunião que acontece na próxima quinta-feira (5) definirá se a greve será ou não deflagrada.

A Vale firmou um acordo com o Sima no ano passado em que ficou definido que o único turno existente na mineradora seria o de 6/4, onde uma turma trabalha oito horas diárias, durante seis dias, e folga quatro. Esse acordo foi homologado na Justiça do Trabalho e é válido até 31 de janeiro de 2016. Entretanto, assim que assumiu as minas, que até então eram terceirizadas, a Vale manteve os turnos da empresa terceirizada Fagundes, que eram de 6/1, 6/2 e 6/3, descumprindo o acordo feito com o sindicato. Agora a mineradora decidiu estender o descumprimento do acordo para outros setores onde há troca de turnos.

A partir desta segunda (2) o turno será de 6 horas diárias trabalhadas durante 4 dias com um dia de folga, sendo que a cada dia o funcionário irá trabalhar em um horário. Os inícios dos turnos serão à 0h, às 6h, às 12h e às 18h.

De acordo com a nova tabela, o funcionário em determinado dia termina o seu turno às 18h e volta ao trabalho à 6h da manhã seguinte. Nesse caso, um funcionário da unidade de Tapira que mora em Araxá chegará em casa por volta das 19h30 e terá que sair para pegar o ônibus novamente às 4h30 do dia seguinte para trabalhar. Em outros casos, os funcionários terminam o turno à 0h e voltam a trabalhar às 12h.

Refeições

Outra mudança polêmica imposta pela Vale é que os funcionários que trocam turno não podem mais fazer refeições nos restaurantes das unidades de Tapira e Araxá. Como os turnos eram de 8 horas de trabalho, os funcionários tinham direito ao almoço, jantar ou ceia da madrugada. Agora eles vão receber um lanche composto por um suco, uma barra de cereal e uma fruta assim que chegarem ao trabalhar no novo turno de 6 horas.

Essa mudança desagradou aos funcionários que trocam turno, principalmente as turmas da manutenção que realizam um trabalho mais pesado. Deve haver demissões de funcionários dos restaurantes por causa dessa mudança.

Assembleia

Insatisfeitos com as mudanças, vários funcionários realizaram uma assembleia na porta do Sima no último sábado (28). Ficou decidido também que o sindicato entraria com uma ação judicial contra a Vale Fertilizantes pleiteando o cumprimento do acordo firmado entre as duas partes.

A greve estava prevista para a 0h desta segunda (2), mas foi agendada uma reunião entre o sindicato e a Vale para a próxima quinta-feira (5).

Representantes do Sima estiveram nas portas das unidades da Vale em Araxá e Tapira no início da madrugada de hoje (5) para informar aos funcionários do turno sobre a reunião marcada com a mineradora.

Se não houver um acordo entre as partes, a greve será deflagrada e o sindicato acionará a mineradora na Justiça.

O presidente do Sima, Vicente Magalhães de Matos, relatou que está tentando contato com representantes da mineradora e está aberto a ouvir todos os lados.

Com Blog do Germano Afonso

Notícias relacionadas