Coordenadora do canil se defende de acusações durante reunião com vereadores

Coordenadora do canil se defende de acusações durante reunião com vereadores

A coordenadora do Canil Municipal, Eliane Cristina de Resende, foi à Câmara Municipal a convite dos vereadores para explicar e falar sobre as acusações de maus-tratos feitas por ex-funcionários do canil. O assunto foi levantado na última reunião do Legislativo colocando em suspeita o tratamento e higiene dos cães, a alimentação, a falta de veterinários e a eutanásia.

Eliane disse que o canil passa por um processo de reestruturação física e que estão sendo feitas obras de melhorias, mas que a chuva atrapalhou um pouco. Quanto aos animais, ela disse que a carrocinha recolhe das ruas uma média de 20 a 30 cães por dia. A maioria deles nunca tomou vacina, está doente ou machucada e morre em alguns dias.

Questionada pelos vereadores sobre as demissões que ocorreram no canil, Eliane explicou que ela não demitiu ninguém por ser subordinada à Secretaria Municipal de Saúde, responsável, segundo ela, pelas demissões. Porém, a mudança no quadro de funcionários se deve a uma adequação a forma da coordenadora trabalhar.

Ela falou que o serviço é pesado e, por isso, a necessidade de homens no lugar de mulheres demitidas. O canil conta com quatro funcionários e dois vigias, segundo ela.

Eutanásia

Eliana se defende das acusações da prática da eutanásia. De acordo com ela, desde 16 de fevereiro que o procedimento não é necessário. Ela diz que o veterinário João Bosco Carvalho, que é voluntário, é solicitado para sacrificar os animais.

Alimentação

A mudança na alimentação dos cães também foi alvo de acusações, mas a coordenadora destaca que mudou para melhor. Ela afirma ter contato com veterinário, zootecnista e até nutricionista que dão o aval da alimentação fornecida aos cães. A vereadora Lídia Jordão pediu uma cópia de um laudo feito por órgão ou profissional competente que comprove o balanço dos alimentos.

Cachorros misturados

Eliane confirma a denúncia de cães masculinos e femininos misturados, mas explica que é por pouco tempo, devido às obras de melhorias que estão sendo feitas. “São mais de 300 cachorros, eles se movimentam, e como não tem tela, acabam se misturando.”

Notícias relacionadas