Super banner
Super banner

Sinplalto espera grande adesão dos servidores na Assembleia desta terça-feira

Sinplalto espera grande adesão dos servidores na Assembleia desta terça-feira

Foto: Ascom/Sinplalto

Um dia histórico para o funcionalismo público municipal. O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Araxá e Região (Sinplalto) espera grande adesão do quadro dos servidores municipais, dentre eles, contratados, concursados, efetivos, comissionados e aposentados, para a Assembleia Extraordinária Geral Continuada desta terça-feira, 20, às 18h, na sede do Sinplalto (Rua Rio Branco, 987, Centro – Próximo ao Estádio Municipal Fausto Alvim).

Todos os servidores municipais estão convocados para apresentação da real situação da Data Base 2013 e aprovação da greve geral da categoria, dentre outros assuntos de interesse da classe. A mobilização do servidor poderá marcar o maior movimento de protesto do funcionalismo público de Araxá.

As negociações da Data-Base acontecem desde maio passado. Já são mais de 90 dias de tentativa de acordo. A pauta inicial de reivindicações dos servidores apresentava 58 cláusulas, sendo 54 de caráter econômico e social. Dentre as principais reivindicações da categoria estavam: aumento real para todo o quadro geral do funcionalismo público correspondente a 14,55%, o aumento no vale alimentação de R$ 160 para R$ 250, piso salarial de R$ R$ 776, 64 para os servidores públicos, o cumprimento do Piso Nacional da Educação referente às horas trabalhadas, dentre outras. Das 58 cláusulas de reivindicações proposta pela Comissão de Negociação, 42 foram respondidas pela administração municipal.

O presidente do Sinplato, Hely Aires, a proposta de projeto do piso nacional da educação, protocolado na Câmara Municipal nesta segunda-feira, 19, não muda o posicionamento do sindicato. “Estamos analisando o projeto. Um parecer preliminar da diretora regional da Federação Interestadual dos Servidores Públicos Municipais e Estaduais (Fesempre) e especialista em Fundeb, Marlene Aparecida Chaves Gonçalves, é contra o projeto proposto, pois é inconstitucional. O Sinplalto se manifestará com base nesse parecer, já que a Dr. Marlene tem a confiança de todos os servidores da Educação em Araxá”, diz o presidente.

“Além disso, mesmo que o projeto seja aprovado, o Sinplalto mantém a proposta de greve. A Prefeitura de Araxá não é composta somente por servidores da Educação. Temos centenas de outros servidores que estão com dificuldades financeiras, recebendo salário mínimo, e não vamos parar um movimento com apenas uma proposta para a Educação”, relata.

Hely ressalta que antecipar o 13º salário e o Abono Natalino não é vantagem nenhuma para o servidor público. “O servidor público não quer que a administração municipal antecipe nada. Ele quer é um ganho real no salário, ele quer valorização e respeito. O 13º salário e o Abono Natalino é um direito dele, conquistado, e ninguém tira. Antecipar salário é endividar o trabalhador, pois no final do ano quando o servidor terá que pagar mais impostos, que tem as festas de fim de ano, compra de material escolar dentre outros vários outros compromissos, o servidor não terá o dinheiro. Nunca tivemos tão preparados para uma greve geral. Estamos estruturados, o servidor tem suporte, e se a Assembleia decidir por uma greve geral, vamos parar até que o prefeito apresente uma proposta de Data-Base que agrade a categoria”, ressalta o presidente do Sinplalto.

Nota Oficial 

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Araxá e Região (Sinplalto) mantém a convocação do quadro geral dos servidores públicos municipais para a Assembleia Extraordinária que poderá deflagrar uma greve geral da categoria nesta terça-feira, 20, às 18h, na sede do Sinplalto.

Mesmo com o projeto que pagará o piso nacional aos servidores municipais da educação, conforme proposta de lei protocolada na Câmara Municipal no início da tarde desta segunda-feira, 19, o sindicato mantém a proposta de uma greve geral em todos os setores da administração municipal.

Todos os Órgãos Patronais, Órgãos de Segurança Pública, Poder Judiciário e Ministério Público já foram devidamente notificados do nosso movimento.

Notícias relacionadas