Super banner
Super banner

Câmara adere movimento de profissionais da rede municipal de ensino

Câmara adere movimento de profissionais da rede municipal de ensino

Debate durante presença dos professores

DA REDAÇÃO – A Câmara Municipal recebeu professores da rede municipal de ensino na tarde desta terça-feira (22), durante reunião ordinária. Eles reivindicam melhores salários e valorização da classe por parte da Prefeitura de Araxá. Na oportunidade, os profissionais paralisaram todos os serviços e os alunos ficaram toda a terça sem aulas. A paralisação, que contou com o apoio do Sindicato dos Servidores Municipais de Araxá e Região (Sinplalto), teve início na Igreja Matriz de São Domingos, passou pela rua Presidente Olegário e finalizou na Câmara Municipal no período da tarde.

Após o encerramento da reunião, a tribuna foi disponibilizada para Janaína Luciana Ribeiro Pereira, representando as profissionais da rede municipal de ensino, e Hely Aires, presidente do Sinplalto, para sensibilizarem os vereadores sobre a importância do Poder Executivo estar atendendo as reivindicações da classe da Educação.

Concentração na sede da Câmara

Os professores recebem salário de R$ 987, valor este muito abaixo do que estipulado em nível nacional que é de R$ 1.567 (piso nacional). “Foi por unanimidade ratificada a palavra de apoio de todos os vereadores a causa que eles tanto lutam que é salários dignos, uma remuneração decente, pelo menos o piso nacional que já foi estabelecido há muito tempo, aqui em Araxá, ainda não recebem”, diz o presidente da Câmara Municipal, Miguel Alves Ferreira Júnior (PMDB).

Sensibilizada com o movimento, a Câmara Municipal formou uma Comissão Especial que conta com a participação dos vereadores Cachoeira (PDT), Néia da Uninorte (PDT) e Romário do Picolé (PT do B), que fazem parte da Comissão de Educação, Cultura e Saúde (CECS), e de Sargento Amilton (PTdoB), Mauro do Detran (PDT) e Fabiano Santos Cunha (PRB).

Professores no plenário durante reunião ordinária

“Eles tinham que sair daqui no mínimo com um grupo de parlamentares constituídos pela Mesa Diretora e amplo poderes de conversação e negociação junto com as esferas necessárias para que leve a mensagem que a Câmara é solidária e faz coro a reivindicação. Nós estamos com eles nessa batalha. Acho que é uma demonstração clara que os representantes do povo somam com eles nesse momento”, destaca Miguel Júnior.

O líder do governo na Câmara, Professor Cachoeira, afirma que o prefeito está preocupado em resolver essa situação. “O prefeito (Jeová) está interessado em resolver essa situação e sensibilizado com a reivindicação dos professores. Acredito que, com a Câmara Municipal entrando nesse processo junto com a prefeitura, sindicato (Sinplalto) e professores, chegaremos a um consenso”, afirma o vereador.

As reuniões entre os representantes do Executivo, Legislativo, Sinplalto e da classe da Educação vão ser realizadas a partir do momento que o prefeito Jeová retornar da missão internacional na Europa e China.

Notícias relacionadas