Super banner
Super banner

Fabricantes de equipamentos médicos virão a Araxá a convite do prefeito

Fabricantes de equipamentos médicos virão a Araxá a convite do prefeito

Mindray Jeová Araxá

A comitiva da missão internacional liderada pelo prefeito Jeová Moreira da Costa foi recebida pelo presidente da Mindray Bio-Medical Eletronics, Wang Simon, em Shenzhen, na China. A Mindray é uma das maiores indústrias do mundo em fabricação de equipamentos médicos de alta tecnologia e está situada na primeira cidade chinesa a abrigar uma zona econômica especial. Os representantes da Mindray virão a Araxá para conhecer a rede de saúde e dar sequência às possíveis negociações iniciadas pelo prefeito.

O grupo também foi recebido pelo vice-gerente Geral da companhia, Sérgio Ken Tamura, pelo gerente Geral da Mindray Brasil, Allen Huang, e pelo representante de vendas em Minas Gerais, Waner Amaral Martins. “Pra gente, é muito importante poder receber comitivas de grupos que vêm do Brasil, principalmente para desmistificar a linha de produtos vindos da Ásia. Principalmente, aqui da China, porque infelizmente existiam há alguns anos preconceitos em relação a isto”, diz Sérgio. Ele acrescenta que os visitantes veem o que os fabricantes chineses de alta tecnologia e boa qualidade estão fazendo, como a Mindray. “Sem dúvida nenhuma, é um grande negócio hoje, a China. Como a nossa companhia que é a maior fabricante na linha de equipamentos médicos do país e é o grande modelo que busca a maior parte das entidades públicas que dependem de recursos para fazer um maior e melhor atendimento à sociedade, enxergar de certa forma esse tipo de parceria”, afirma.

Segundo ele, obviamente que a companhia como um todo tem grande interesse em estabelecer Parcerias Público/Privada (PPPs), como propôs o prefeito de Araxá. “Em termos de custos, vale a pena. É bem claro isso hoje, porque o Estado, como a União e os municípios do Brasil têm benefícios para fazer a importação desses equipamentos de saúde”, afirma. Sérgio acrescenta que vários Estados, municípios e a própria federação brasileira hoje faz a importação direta de equipamentos para abastecerem hospitais da rede pública. “Com certeza, isso é possível sem muitos problemas. Obviamente, que temos os trâmites normais e legais para que as coisas aconteçam dentro de um processo licitatório. Da nossa parte, é oferecer um produto de qualidade, com tecnologia alta agregada e estar sempre junto, podendo treinar, capacitar e evoluir conjuntamente com os órgãos, a nossa marca e os nossos produtos instalados nos hospitais”, afirma. A princípio, Jeová demonstrou interesse em adquirir equipamentos para a UTI Neonatal e o anexo da Santa Casa de Misericórdia.

 

Notícias relacionadas