Sindicatos de Araxá se mobilizam contra reformas trabalhistas e da Previdência

Sindicatos de Araxá se mobilizam contra reformas trabalhistas e da Previdência

Trabalhadores, estudantes e movimentos sociais de todo o Brasil terão pela frente uma série de mobilizações para barrar os retrocessos proposto pelo Governo Federal. Como parte dessa mobilização nacional, os sindicatos de Araxá organizam uma manifestação conjunta contra as reformas trabalhistas e da Previdência neste mês de março. Trabalhadores de todas as categorias serão convocados para participar do movimento através das redes sociais e em anúncios divulgados em veículos de comunicação da cidade.

O objetivo de colher assinaturas em um manifesto oficial que será encaminhado a todas as lideranças políticas nacionais, estaduais e municipais  com votos nos municípios que compõem a base das entidades sindicais que aderirem à mobilização.

Três manifestações nacionais já estão marcadas para os dias 8, 15 e 31 de março. Os sindicalistas araxaenses se reúnem hoje (2) para decidir a data da mobilização na cidade. A expectativa é que os araxaenses vão às ruas no dia 15, “Dia Nacional de Luta Contra a Reforma da Previdência”, e no dia 31, data do Golpe Militar em 1964.

No ultimo dia 23 de fevereiro, o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Araxá e Região (Sinplalto), Hely Aires, convocou todos os sindicatos de trabalhadores da cidade para uma reunião para tratar do assunto.

Além do Sinplalto, aderem ao movimento o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Extração de Metais Básicos e Minerais Não-Metálicos de Araxá (Sima), o Sindicato dos Bancários de Araxá, o Sindicato dos Empregados no Comércio de Araxá e Tapira, o Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro e Similares de Araxá (Sintha), o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE) e o Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil e Mobiliário de Araxá e Tapira.

De acordo Hely, o objetivo é mostrar oficialmente a indignação dos trabalhadores e estudantes araxaenses contra a proposta de Reforma da Previdência apresentada pelo governo de Michel Temer, que tramita na Câmara dos deputados como PEC 287/2016.

“A sociedade araxaense não pode ficar de braços cruzados, temos que nos unir, debater sobre o assunto e nos mobilizarmos contra essas reformas trabalhistas e da Previdência. Esse movimento cobrará de todas as autoridades políticas um posicionamento a favor dos trabalhadores. Quem votar a favor da PEC 287/2016 será contra a classe trabalhadora. E nós vamos cobrar”, comenta o sindicalista.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *