Bombeiros reforçam orientações sobre riscos do cerol em papagaios

Bombeiros reforçam orientações sobre riscos do cerol em papagaios

Da Redação – As férias escolares trazem de volta uma das mais antigas brincadeiras infantis: soltar papagaio. A diversão, porém, traz o perigo do uso do cerol, mistura de cola e vidro moído, que pode até matar. O Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) alerta sobre os cuidados que os pais, adolescentes e crianças devem ter para não correr riscos ou provocar acidentes.

A orientação é para que as pessoas não soltem pipas em dias nublados e de chuva, principalmente se houver relâmpagos. Evitem brincar perto de antenas, fios telefônicos ou cabos elétricos e procurem locais abertos como praças e parques para a prática da atividade.

As crianças devem ser orientadas a dar preferência para os papagaios sem rabiolas, pois na maioria dos casos é esta a parte que se prende aos fios, ocasionando acidentes. Não suba em lajes e telhados para empinar pipas e jamais utilize linha metálica, como fio de cobre de bobinas, na brincadeira.

Também não faça pipas com papel laminado. O risco de choque elétrico é grande. Tome cuidado com ruas e lugares movimentados, principalmente quando andar de costas para observar as evoluções do papagaio no céu. Pode ter algum buraco ou pista.

Motociclistas e ciclistas

Para os motociclistas e ciclistas a linha com cerol pode representar risco de vida. Por isso, não faço uso da mistura de vidro moído com cola na linha e nenhuma hipótese. Até mesmo a linha comum, sem cerol, pode causar acidentes se ficar atravessada em vias públicas, na frente de motos ou bicicletas.

Caso uma pipa enrosque em fios, não tente retirá-la. É melhor fazer outra. Nunca use canos, vergalhões ou bambus para alcançá-las ou desenrolá-las. E ao correr atrás de papagaios, não deixe de observar o trânsito, evitando atropelamentos.

Os bombeiros aconselham ainda que os condutores de motos equipem o veículo com antenas antilinhas, já que o adereço evita que eventuais linhas com cerol os atinjam diretamente, causando cortes profundos e até fatais.

Com Agência Minas

Notícias relacionadas