Horário de Verão trouxe economia de 3,2% no horário de pico

Horário de Verão trouxe economia de 3,2% no horário de pico

Na área de concessão da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) estima-se, segundo o balanço parcial, que o horário de verão que terminou à zero hora do dia 15 de fevereiro, registrou uma redução na demanda máxima, ou seja, o pico diário da carga que ocorre no período das 18h às 22h, de 3,2%, correspondendo a 240 MW, potência que equivale a:

• geração a plena carga de quase duas usinas do porte da Usina Térmica de Igarapé (131 MW) ou;

• geração de quatro geradores da Usina Hidrelétrica de Três Marias, também a plena carga (66 MW cada) ou;

• 30% da carga de pico de todo o Triângulo Mineiro, com 66 municípios, ou;

• 12% da carga de pico da Região Metropolitana de Belo Horizonte (34 municípios) ou;

• demanda de pico de uma cidade de 700 mil habitantes.

No consumo, estima-se que houve uma economia de energia de 0,5%, o que representa cerca de 91 mil MWh, durante todo o período do Horário de Verão. “Essa economia é suficiente para abastecer, durante um mês, duas cidades do porte de Sete Lagoas e Uberaba, que juntas têm uma população de 500 mil habitantes”, afirma Wilson Fernandes Lage, engenheiro de operação do sistema da Cemig.

Para o consumidor residencial, a economia se dá na menor utilização da iluminação artificial, que pode chegar a uma redução de até 5% no consumo mensal de energia.

Notícias relacionadas