PIB de Minas Gerais retrai 1,3% no terceiro trimestre de 2015

PIB de Minas Gerais retrai 1,3% no terceiro trimestre de 2015

No 3º trimestre de 2015, que corresponde aos meses de julho, agosto e setembro, o PIB mineiro apresentou queda de 1,3% em relação ao resultado apresentado no trimestre anterior (abril a junho de 2015). Esse resultado é reflexo dos seguintes desempenhos setoriais: recuos de 0,7% na agropecuária, 2,9% na indústria e 0,8% nos serviços, ou seja, os três setores apresentaram desempenho negativo.

A indústria mineira foi o setor de atividade mais afetado pelo contexto atual. No estado, o setor recuou -2,9% no 3° trimestre em relação ao 2° trimestre do ano, com quedas significativas, nesta mesma ótica de comparação, no volume de valor adicionado pela construção civil (-5,2%), pela indústria de transformação (-4,2%) e pelo segmento de energia e saneamento (-3,2%). A indústria extrativa mineral do estado apresentou pequena retração (-0,3%). No Brasil, a retração industrial foi menos severa (-1,3%) com expressiva diminuição no volume de valor agregado pela indústria de transformação (-3,1%), contração do nível de atividade na indústria da construção civil (-0,5%) e na indústria extrativa (-0,2%), e recuperação da produção de eletricidade, água, gás e limpeza urbana (1,1%).

Além da indústria, a queda do nível de atividade no 3° trimestre de 2015 em relação ao trimestre anterior se estendeu ao setor agropecuário e de serviços. Porém, nesses dois casos, a inflexão observada em Minas Gerais foi menos intensa que a ocorrida em âmbito nacional, o que ajuda a entender porque o PIB brasileiro recuou mais que o PIB mineiro no trimestre. De fato, o volume de valor adicionado pela agropecuária e pelo setor de serviços recuou, respectivamente, 0,7% e 0,8% no estado, no conjunto do país o desempenho negativo nessas atividades foi de, respectivamente, 2,4% e 1,0%.

De acordo com o pesquisador da Fundação João Pinheiro Thiago Almeida, o pequeno recuo na agropecuária não é suficiente para gerar um resultado negativo para o setor neste ano. “Comparando o valor adicionado de janeiro a setembro de 2015 com o mesmo período de 2014, a retração de 0,7% na agropecuária ainda possibilita a expectativa de um fechamento positivo”, pondera.

Acumulado no ano

De janeiro a setembro de 2015, comparativamente ao mesmo período do ano passado, o PIB de Minas Gerais apresentou queda de 4,3%. Esta retração foi puxada, principalmente, pelo comportamento negativo do setor industrial, de 8,8% no período, e pela variação negativa de 2,5% no setor de serviços. Nesta mesma ótica de comparação houve crescimento de 1,0% no volume de valor adicionado pelo setor agropecuário no estado. No Brasil, o PIB encolheu 3,2% em termos reais, explicado pela retração de 5,6% no nível de atividade do setor industrial e de 2,1% do setor serviços e pela expansão de 2,1% da atividade agropecuária.

Para o coordenador do Sistema de Contas Regionais de Minas Gerais e pesquisador da Fundação João Pinheiro, Raimundo Leal, o resultado negativo do PIB pode ser atribuído em grande parte à retração da indústria da transformação. “Na combinação do impacto negativo com o peso do setor, a retração da atividade na indústria da transformação é responsável por mais de um terço do valor total”, afirma.


Revisão

Estes resultados são preliminares e, naturalmente, estão sujeitos a revisão. Os cálculos são sempre revistos em parceria com o IBGE, com dois ajustes principais: 1) atualização da estrutura de ponderação das atividades econômicas no valor adicionado da economia do Estado; e 2) substituição de projeções ou valores preliminares nas séries de dados primários utilizados no cômputo do PIB trimestral por valores consolidados. Os procedimentos de revisão são semelhantes aos adotados pelo IBGE no que diz respeito às Contas Nacionais Trimestrais, e os resultados definitivos são divulgados usualmente com defasagem de dois anos. Além disso, deve ser destacado que o IBGE já completou o processo de atualização da metodologia do PIB Trimestral à nova metodologia de cálculo do PIB anual, conforme publicado na nova referência (2010) do Sistema de Contas Nacionais, enquanto que a FJP deverá completar o processo de atualização metodológica do PIB Trimestral de Minas Gerais em abril de 2016.

 

Notícias relacionadas

Deixe um comentário: