Super banner
Super banner

Polícia Civil apresenta autor de latrocínio do comerciante Enildo Correa

Polícia Civil apresenta autor de latrocínio do comerciante Enildo Correa

Foto: Caio Aureliano - Diário de Araxá

DA REDAÇÃO – A Polícia Civil apresentou o autor de latrocínio de Enildo Correa nesta quinta-feira (11). O comerciante foi assassinado no último dia 15 de março em uma tentativa de assalto ao Supermercado Correa, bairro Fertiza, aonde era proprietário.

Divulgado anteriormente como homicídio (ato de matar outra pessoa), a Polícia informou à imprensa que se tratou de um latrocínio (roubo seguido de morte), pois, a investigação apontou que foi roubada uma quantia de dinheiro do supermercado.

Foram apresentados os irmãos Natalício Costa de Nossa Senhora, 23 anos, e Júnior Costa de Nossa Senhora, 22 anos (ambos de Serra dos Aimorés/MG) e Renato Fernando da Costa que reside atualmente em Araxá.

Natalício esteve envolvido em outros crimes de roubo na cidade a estabelecimentos comerciais, dentre os quais, o Sacolão Center, Agrocampo, Xiliki Modas e Posto Alpa.

O delegado regional Heli Andrade relata que Natalício está preso desde o dia 3 de maio. “Ocorre que a gente não poderia está divulgando isso. As investigações continuaram para identificar quem estava com Natalício. Ele (Natalício) foi a pessoa que atirou, o irmão dele, Júnior, era quem pilotava a motocicleta e a arma foi alugada pelo Chicão. Tranquilamente, nós temos provas sobre isso”, diz o delegado.

Segundo o delegado, Natalício e Júnior e Renato estiveram no supermercado com a intenção de assaltar. “Eles foram lá para roubar, houve esse contratempo e o Enildo morreu. Parece que o Enildo colocou a mão no bolso para tirar outra quantia em dinheiro que tinha. O Natalício assustou e atirou.”, comenta o delegado.

De acordo com inspetor civil, Mauro da Silveira Chaves, está comprovado que o assalto do Supermercado Correa tratou-se de crime de latrocínio (roubo seguido de morte). “Não foi um crime encomendado como alegado anteriormente. A gente tem certeza que foi estratégia de defesa orientado possivelmente por alguém detentor do conhecimento de direito. Os detalhes que ele (Natalício) forneceu são coerentes com o que foi levantado no local do crime, inclusive, pelas testemunhas”, ressalta Mauro Chaves.

A apresentação dos envolvidos com o caso Enildo contou com as presenças do delegado regional, Heli Andrade, e inspetor civil, Mauro da Silveira Chaves, que trabalhou na investigação deste caso, o último dele antes de assumir a secretaria municipal de Segurança Pública.

Se o delegado Sandro Negrão indicia essas três pessoas por latrocínio, a pena varia de 20 a 30 anos de prisão.

Notícias relacionadas