Chevrolet Cobalt chega a partir de R$ 39,9 mil

Chevrolet Cobalt chega a partir de R$ 39,9 mil

A General Motors apresentou recentemente o novo Chevrolet Cobalt, modelo sedã desenvolvido para dar continuidade à família do hatch Chevrolet Agile. O automóvel chega a partir de R$ 39.980 na versão de entrada e pode ultrapassar o valor de R$ 45.980 na sua versão topo. Entre os principais apelos para vender o novo carro estão o espaço interno e o bom volume do porta-malas.

Preço e versões de acabamento

Apresentado ainda como conceito no Salão de Buenos Aires, na Argentina, em junho deste ano, o Cobalt chega às concessionárias em três versões de acabamento, LS, LT e LTZ. A versão de entrada (R$ 39.980), a LS, traz os principais equipamentos de série: ar-condicionado, direção hidráulica, trava elétrica das portas e porta-malas e banco do motorista com regulagem de altura.

O vidro elétrico não está incluso nesta versão e só pode ser vendido dentro da opção intermediária, denominada de LT (R$ 43.780), que oferece tudo o que a LS tem e ainda vem equipada com airbag duplo, coluna de direção com regulagem de altura, freios ABS com EBD, vidros elétricos nas portas dianteiras e alarme.

A LTZ (R$ 45.980), topo de linha, traz, além dos itens encontrados na LS e LT, rodas de liga leve, farol de neblina, sistema de som integrado, espelhos retrovisores com regulagem elétrica e acionamento elétrico para todos os vidros.

Motor e desempenho

O Chevrolet Cobalt é equipado com um motor 1,4L, de quatro-cilindros, flexível em combustível que, quando abastecido com etanol, gera 102 cv de potência. Com gasolina, o mesmo conjunto oferece 97 cv. De acordo com os números da General Motors, o Chevrolet Cobalt, usando etanol, faz de 0 a 100 km/h em 11,5s e chega aos 170 km/h. Com gasolina, ele vai de 0 a 100 em 11,9s e chega também aos 170 km/h de máxima. O torque é de 128 Nm com álcool e de 126 Nm com gasolina, ambas as situações a 3.200 rpm. Com 1.072 kg, o Cobalt registra uma relação peso/potência 10 kg/cv.

Para o segundo trimestre de 2012 a GM lançará a versão LTZ equipada com câmbio automático de seis velocidades e motor 1,8L de 140 cv. Trata-se do mesmo conjunto que equipa o Chevrolet Cruze. Segundo a própria Chevrolet, a opção do câmbio automático já estava presente em 40% dos modelos nacionais, contra 15% dos registrados em 2008, por isso a decisão de lançá-lo no Cobalt em 2012.

Dimensões e visual

Sem aquele ar carregado do Chevrolet Agile, o sedã Cobalt chega mais “clássico”, de acordo com a GM. As marcas da característica imposta estão nos faróis menos sobressalentes, nas folhas das portas sem vincos e na grade dianteira, bem menos exagerada. Olhando ao vivo e em cores o carro fica mais limpo (clean) que na fotografia.

Apesar de herdar o “jeitão” esquisito do hatch, o Cobalt é bem mais evoluído. Afinal, usa a plataforma do Corsa 3 (velho na Europa) e não a mesma do Chevrolet Classic, como acontece com o hatch. Outro diferencial diante do compacto está nas suas dimensões, que buscam combater as dos sedãs médios de entrada (leia-se Renault Logan e Nissan Versa).

O Cobalt tem 2,62 m de entreeixos, 4,48 m de comprimento, 1,74 m de largura e 1,51 m de altura. A GM se vangloriou, durante a apresentação, de conseguir oferecer no sedã um volume no porta-malas de 563 litros. O segredo para conquistar um bom espaço no compartimento está na altura da tampa traseira. Tal detalhe é excelente para quem pretende levar mais malas para a sua viagem, porém é incômodo para aqueles que utilizam com frequência o retrovisor interno.

Por ter uma traseira alta, a visibilidade do vidro traseiro do Cobalt acabou ficando inferior a dos concorrentes. A GM fez a mesma jogada com a picape Montana de primeira geração, a utilitária oferecia um bom volume no compartimento, mas pecava pela caçamba de “paredes” altas que inibiam a visibilidade interna.

Concorrentes e custo/benefício

A GM pretende vender 1,5 mil unidades por mês do novo sedã. Mesmo com o novo modelo a fabricante não irá tirar os sedãs Classic e Corsa da linha de produção. A estratégia só reforça a ambição da General Motors de querer ser a montadora dos sedãs. Entre os concorrentes considerados pela GM estão: VW Voyage, Ford Fiesta, Fiat Siena, Renault Logan, Renault Symbol e JAC J3.

Com WebMotors

Notícias relacionadas