[FÁBIO TERRA] Uma sugestão a Araxá: por que não fechar a Imbiara aos domingos?

[FÁBIO TERRA] Uma sugestão a Araxá: por que não fechar a Imbiara aos domingos?
Foto: Elza Fiuza: ABr / Editoria de Arte

Por Fábio Terra 

Não é preciso conhecer muitas cidades no Brasil para notar que Araxá possui uma infraestrutura urbana muito acima da média. Além disso, nos últimos meses a prefeitura tem muito bem conduzido um processo de renovar as vias urbanas da cidade, o que a torna ainda mais agradável e receptiva.

Uma forma de melhor aproveitarmos esse excelente diferencial de infraestrutura de Araxá seria fecharmos aos carros um trecho da avenida Imbiara aos domingos durante o dia, talvez das 07:00 às 16:00. Como já acontece em diversas cidades do Brasil, como Rio de Janeiro, São Paulo, Uberlândia, Brasília, o fechamento de avenidas para carros faz da via um espaço de lazer verdadeiramente público.

Minha sugestão é que a avenida seja fechada entre a rotatória da Escola Vasco Santos e a rotatória que leva ao Barreiro, um trajeto de 750 metros aproximadamente. Neste trecho, a Imbiara tem em ambos os lados a avenida Aracely de Paula, o que serve para o movimento dos ônibus e demais veículos. O transtorno ao transporte público será, então, mínimo, e o ganho de espaço de lazer e de convívio para a população araxaense será imenso.

Não obstante, é este um trecho da avenida em que há vários bares, restaurantes e outros comércios tanto de comida quanto de demais serviços. O fluxo de pessoas transitando facilmente pela avenida, à pé, tende a ajudar o acesso ao comércio e não a dificultá-lo, como se pode pensar à um primeiro momento. É como o calçadão da Boa Vista. Além disso, carros podem ser facilmente estacionar nas ruas ao lado da Imbiara, o que não impede e nem dificulta qualquer circulação.

Como araxaense, sei que Araxá oferece uma qualidade de vida excepcional aos seus moradores, mas sei que ainda há espaço para mais. Não é porque temos o Barreiro e suas lagoas como espaços de lazer e convívio que não precisamos de mais. Sim, precisamos, pois espaços públicos de lazer nunca são demais.

Seria um prazer imenso ver pessoas caminhando despreocupadas, convivendo, conversando, em um lado da Imbiara, enquanto outros correm, andam de patins, skate e bicicleta no outro lado dela. Ao final de sua diversão, um almoço, um chope, um sorvete ou açaí. Está tudo ao alcance de alguns passos, livres do carro e de preocupação com ele. É possível também atrair mais opções de comércio, como os hoje tão famosos food trucks. Pode ser que a experiência comece vazia, mas com certeza atrairá público em algumas semanas.

Interessante notar que calçadões ou espaços urbanos livres da circulação de carro em determinados momentos do dia são comuns nos países desenvolvidos. Por isso e por exemplo, é usual notarmos pessoas maravilhadas com coisas simples que veem na Europa. Se funciona lá, por que não podemos fazer aqui? Por que Araxá não se torna, também nisso, um exemplo? Deixo minha humilde sugestão.

Fábio Terra é professor de Economia, pós-doutor em Economia pela Universidade de Cambridge, Reino Unido. Mas, sobretudo, araxaense.

Notícias relacionadas

10 Comentários

  1. Irene

    Realmente tem mt coisa pra se preocupar… Tem gente comparando cidades…. Araxá é um ovo… Comprar rio, Brasília é não ter noção. Pq não se preocupar com a saúde… Educação… É outras cositas…

    Responder
  2. Hugo Otsuki

    Em Araxá, temos inúmeras áreas públicas mais apropriadas para essa finalidade. Na região central, existe o pátio da Fundação C. Calmon Barreto, na avenida Imbiara, temos o enorme estacionamento do estádio Fausto Alvim, temos o calçadão da Rua Presidente Olegário Maciel. Não nos esqueçamos do Parque do Cristo. No setor leste, há a praça da ‘Mangueira’. No setor sul, temos o Barreiro, que já foi citado acima.
    Podemos aproveitar a ideia de uma cidade grande e adequá-la a nossa realidade, com gastos menores ao ‘poder público’.

    Responder
  3. Fábio Lira

    Araxa devia se preocupar em treinar quem trabalha no comércio para atender decentemente os clientes. Seja em restaurantes, bares e lojas em geral. Passo vergonha quando recebo visitas de pessoas de fora e os levo para passear. O que não falta é preguiça e falta de educação no comércio local. Isso é essencial para uma cidade que quer ser chamada de turística.

    Responder
  4. Angelica

    Araxá tem mais com que se preocupar.
    Precisa de muitas melhorias, mas uma cidade pequena que tem o encantador “Barreiro”, fechar a principal avenida, pra quê???? Me desculpe, falta de matéria.

    Responder

Deixe um comentário: