Vereadores questionam prefeito sobre permuta do Fausto Alvim

Vereadores questionam prefeito sobre permuta do Fausto Alvim

O projeto de permuta do Executivo da área do Estádio Municipal Fausto Alvim – 35 mil m² – com a área rural do Grupo Kamel – 860 mil m² – próximo ao condomínio Riviera do Lago teve diversos questionamentos levantados pelos vereadores em relação às intenções do prefeito Jeová Moreira da Costa, durante a reunião da Câmara Municipal de Araxá desta terça-feira (3).

O debate sobre o assunto iniciou com o discurso na tribuna do vice-presidente José Domingos Vaz (PDT). Ele disse que somente concorda com demolição do Fausto Alvim após a construção do novo estádio, apelidado de Jeovazão, estar concluída.

“O Fausto Alvim faz parte de uma história de nossa cidade, mas hoje temos a necessidade de um estádio para abrigar um público maior e dar condições para que Araxá receba o campeonato da série A (primeira divisão do Mineiro). Só que o funcionamento do Fausto Alvim deve ser garantido até que o novo estádio fique pronto”, afirmou.

Ao pedir um aparte, José Maria Lemos Júnior (DEM) apontou que o projeto precisa ser bastante discutido com a comunidade, segmentos organizados como a Associação de Engenheiros e Arquitetos de Araxá (Area) e Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea) e representantes do esporte.

Já Marco Antonio Rios (PSDB) criticou o formato do projeto de lei que foi enviado para apreciação e votação, que estabelece somente a obrigatoriedade da construção de um shopping center na área do Fausto Alvim e não consta a construção de um novo estádio, arena olímpica, autódromo e parque ecológico na área rural do Grupo Kamel, conforme o prefeito anuncia verbalmente.

“Talvez nem todas as pessoas tiveram acesso ao projeto de lei como a maior parte da imprensa e todos os vereadores. O que fundamenta uma permuta dessa natureza é o interesse público comprovado, não apenas presumido. O projeto nem ao menos teve o cuidado ou o zelo do que a prefeitura fará com essa área (do Grupo Kamel)”, disse.

“Assim fica difícil convencer a comunidade, a imprensa e mais especialmente os vereadores de que esse projeto, na forma como foi encaminhado, comprova interesse público. Há também muitas coisas a serem discutidas, como a questão do procedimento legal da permuta e avaliações das áreas”, disse.

O assunto foi finalizado com as opiniões dos vereadores César Romero da Silva – Garrado – (PR) e Márcio de Paula (PR) em relação à supervalorização da área do Grupo Kamel.

“Sou a favor do crescimento, do desenvolvimento e do Executivo, mas com muita responsabilidade. Esse projeto tem que ser analisado com muita cautela e não quero que fiquem falando que votamos esse projeto com irresponsabilidade. Além disso, já têm cidadãos pedindo valores de outras bem acima do que elas realmente valem, como por exemplo, do local em que está sendo negociado para a implantação do Sest/Senat em Araxá”, afirmou Garrado.

“Talvez os 14 alqueires estejam muito longe do valor real do estádio municipal e com isso qualquer início de conversa não estará compatível a realidade de mercado. É importante Araxá abrir fronteiras, procurar o crescimento para que não seja uma cidade acanhada, obstruída, mas é necessário que os valores sejam colocados dentro de um parâmetro mais próximo”, acrescentou Márcio de Paula.

Notícias relacionadas