Super banner
Super banner

Alunos do Cefet querem que governo solucione reinvindicações dos professores em greve

Alunos do Cefet querem que governo solucione reinvindicações dos professores em greve

Manifesto na rua Presidente Olegário Maciel - Foto: Jorge Mourão

Da Redação/Jorge Mourão – Alunos do campus Araxá do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG) fizeram uma manifestação na tarde desta segunda-feira (28) pelas principais ruas da cidade. O objetivo do protesto foi para que o governo federal solucione as reivindicações de professores de diversas instituições federais que estão em greve desde o último dia 16, sendo que o Cefet Araxá adere à paralisação a partir desta terça-feira (29). Cartazes, apitos, narizes de palhaço, pinturas no rosto e trajes pretos foram utilizados pela maioria dos manifestantes.

Dentre as reivindicações estão a reestruturação da carreira docente (vencimento-base atual é de R$ 557,21 para 20 horas semanais), a contratação de mais professores e a melhoria das condições de trabalho e a ampliação da estrutura das instituições, por meio da construção de salas de aula e dependências acadêmicas. A greve não tem data para terminar.

Além do Cefet Minas, estão em greve o corpo docente das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) e universidades federais do Estado ligado ao Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN).

Para o coordenador da manifestação, Thomas Mota, que faz Engenharia de Minas, os estudantes defendem uma rápida solução entre o governo federal e os professores.

“Entendemos a situação da greve, mas os alunos ficam prejudicados porque a paralisação dos professores vai estender o nosso cronograma e vamos ter aulas no fim do ano, prejudicando principalmente quem veio fora de Araxá que vai visitar seus familiares. Eu, por exemplo, sou de Minas Novas, no Vale do Jequitinhonha, e nessa paralisação aqui dos professores fico sem saída, se devo ir para casa ou não. Pode ser que a greve se resolva amanhã, como pode demorar meses. Precisamos de melhorias em nosso campus, mais professores e sabemos que a greve é por uma causa justa, mas que deve ser resolvida logo”, diz.

Notícias relacionadas