Super banner
Super banner

Araxá completa uma semana sem atendimento pediátrico pelo SUS

Araxá completa uma semana sem atendimento pediátrico pelo SUS

Prefeito Jeová Moreira da Costa durante entrevista sobre a Santa Casa - Foto: Raphael Rios

Da Redação/Isabella Lima – O prefeito Jeová Moreira da Costa esclareceu, nesta segunda-feira (7), o convênio firmado com a Santa Casa de Misericórdia. O repasse mensal no valor de R$ 210 mil pela prefeitura foi apontado pelo diretor da Santa Casa como principal motivo para a falta de pagamento e a greve dos pediatras.

Jeová explicou que desde o início de sua gestão, em 2009, foram quase R$ 16 milhões destinados à Santa Casa e que o repasse deste ano está em dia. A confusão, segundo o prefeito, é culpa da falta de planejamento da gestão do hospital.

“Falaram que a prefeitura não pagou janeiro e fevereiro, mas isso foi alertado por mim, que em novembro e dezembro eles tinham que fazer uma manutenção dos gastos porque a assinatura do novo convênio poderia atrasar, ainda tinha que ser votado (pela Câmara) e no início de ano é tudo tumultuado. Assinamos o convênio em março, e desde então, estamos em dia.”

O Diário de Araxá tentou contato com o diretor Administrativo da Santa Casa, Adair da Silva, mas foi informado por sua secretária de que ele está viajando em férias e teria deixado a situação resolvida, embora o pagamento dos salários atrasados não tenha sido confirmado.

Pediatra é detido por omissão de socorro

Na última sexta-feira (4), um pediatra da Santa Casa foi detido pela Polícia Militar por omissão de socorro a uma gestante que estava em trabalho de parto. Após ter o atendimento negado, mesmo diante a presença da polícia e de uma oficial de Justiça, a mulher foi levada para um hospital de Uberaba.

Multa por falta de atendimento

Diante da situação, o Ministério Público teve deferida na Justiça uma liminar para que a Santa Casa e a prefeitura busquem na rede particular de saúde os especialistas que estão em falta na rede pública. De acordo com o promotor curador da Saúde, Marcus Paulo Queiroz Macêdo, o hospital e o município têm que custear os partos no Hospital Dom Bosco, único que possui maternidade, ou pagar por um pediatra para acompanhar os nascimentos na Santa Casa.

Ele afirma que a liminar tem prazo indefinido e penaliza o município e o hospital em R$ 3 mil por dia em caso de desobediência.

Notícias relacionadas