Super banner
Super banner

Construção do gasoduto entre Betim e Uberaba terá investimentos de R$ 1,8 bilhão

Construção do gasoduto entre Betim e Uberaba terá investimentos de R$ 1,8 bilhão

A construção do gasoduto ligando Betim, na região Metropolitana de Belo Horizonte, a Uberaba, no Triângulo Mineiro, exigirá investimentos da ordem de R$ 1,8 bilhão. De acordo com o governador Antonio Anastasia, que fez o anúncio do empreendimento nesta sexta-feira, este será o maior investimento já feito em benefício da região do Triângulo. A obra, que terá cerca de 457 quilômetros de extensão, seguindo o traçado da BR 262,  tem previsão de início para o segundo semestre de 2014 e conclusão para o primeiro semestre de 2016.

Dirigentes e técnicos das quatro empresas envolvidas no projeto – Cemig, Petrobras Gaspetro e Gasmig – terão outras reuniões ao longo deste mês de dezembro para definir detalhes técnicos e operacionais do projeto.

O gasoduto terá capacidade inicial para transportar 3 milhões de metros cúbicos/dia de gás natural, combustível suficiente para abastecer a fábrica de amônia da Petrobras, em implantação em Uberaba, além de outros empreendimentos industriais na região.

“Ao viabilizar a construção deste gasoduto, o Governo de Minas cumpre o compromisso feito com a população de Uberaba, com governo federal e com lideranças do Triângulo Mineiro de viabilizar o gasoduto, uma obra de fundamental importância para a instalação da fábrica de amônia da Petrobras”, afirmou o governador de Minas, Antonio Anastasia. “Trata-se de um empreendimento que impulsionará, de forma expressiva, o desenvolvimento econômico e social não apenas de Uberaba, mas de toda a região do Triângulo e também dos municípios por onde passará o gasoduto”.

Viabilização de empreendimentos em outras regiões

O gasoduto será totalmente construído no território de Minas Gerais, gerando valor para o Estado na execução da obra, com criação de novos empregos, e, principalmente, potencializando a atração de novos empreendimentos para o Estado, com a chegada do gás natural a regiões ainda não atendidas pela Gasmig.

O projeto acordado entre as quatro empresas envolvidas no projeto, com o gasoduto partindo de Betim, passará por municípios com potencial do uso do gás natural, como Juatuba, Igarapé, Mateus Leme, Itaúna, Divinópolis, Lagoa da Prata, Luz, Araxá e Delta, entre outros.

Quando estiver em operação o gasoduto poderá ser utilizado também para o transporte das reservas de gás natural da bacia do São Francisco. A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realizou leilões para a exploração do gás na Bacia de São Francisco, com 39 blocos sob concessão, na Bacia do São Francisco, no território do Estado de Minas Gerais. As empresas iniciaram a prospecção e sinais da existência do gás já foram detectados, mas ainda é necessário confirmar a viabilidade comercial das reservas.

De acordo com a  secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, Dorothea Werneck, se as perspectivas positivas da existência do gás na região se confirmarem, este será um salto na diversificação da economia do Estado, que passará a contar com um leque amplo de possibilidades para a atração de novos empreendimentos. “Para aproveitar melhor este potencial, o Governo de Minas Gerais já conta com um plano de trabalho capaz de orientar os investimentos que serão feitos na região, bem como os principais segmentos que poderão utilizar o gás, seja pela transformação em energia elétrica”, acrescenta a Secretária.

Notícias relacionadas