Super banner
Super banner

Moradores da rua Francelino Cardoso reclamam de transtornos causados por obra

Moradores da rua Francelino Cardoso reclamam de transtornos causados por obra

Rua Francelino Cardoso - Foto enviada por moradores

DA REDAÇÃO/CAIO AURELIANO – A obra que está sendo feita na rua Francelino Cardoso (antiga rua da Bandeira), trecho próximo ao acesso à avenida Senador Montandon, vem sendo motivo de diversas reclamações por parte dos moradores daquele local.

Eles apontam que com a obra e tapumes ocupando parte da via pública na direita para quem acessa a Francelino Cardoso pela avenida Senador Montandon, carros e motos têm como opção parar apenas no lado esquerdo da rua, e em horários de picos, é necessário tomar cuidado ao transitar naquele trecho, pois, os automóveis sentem ainda mais dificuldades em dirigir próximo à referida obra.

Além disso, um trator que está sendo usado na obra deixa a rua, o passeio e as fachadas das residências cobertos de terra. No início do ano, o trânsito na rua foi interditado por causa de um muro de arrimo que caiu depois de uma escavação feita para a instalação de um posto de gasolina em uma parte da grande área que fica ao lado da rua, engolindo o passeio e derrubando postes e fiação da rede elétrica.

Ângela Carvalho é moradora na Francelino Cardoso há 24 anos e afirma que nunca viu uma obra causa tanto problema como esta. “Vivemos isso há 10 anos. Recentemente, o Ministério Público deu um prazo de 60 dias para fechar o terreno em 60 dias. Falamos com a prefeitura pedindo um caminhão-pipa para lavar e veio um caminhão que regou a rua e fez barro ao invés de lavar”, contesta a moradora.

“Essa terra deixada na rua foi um trator deles que para encher a vala do muro de arrimo, transportou (terra) na pá-carregadeira derramando na rua e depois não limparam. Quando passaram para dentro do terreno não limparam essa terra. O trânsito está removendo essa terra. Ela levanta, cai de novo, e a gente convive com essa poeira o dia todo. O meu sofá azul está marrom”, reclama.

Ela também relata que o grande terreno antes da obra ao lado do trecho já teve outros transtornos como bichos mortos e lixo jogados no local, alguns pontos praticamente não tinham passeio, falta de cerca e frequência de usuários de droga.

Terreno (parte clara do mapa) apontado como diversos transtornos ao logo dos 10 anos, segundo a moradora Ângela Carvalho - Google

O advogado Marco Antônio Teixeira Guimarães diz que a Prefeitura Municipal, por meio do Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável de Araxá (IPDSA), concedeu o alvará para a empresa realizar a obras nessas condições e ainda o renovou. “A Teixeira Guimarães (escritório de advocacia situado na rua), na qual sou sócio administrador, fez uma denúncia ao Ministério Público para apurar eventuais irregularidades e foi firmado um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) (em 5 de junho). O prazo para regularizar a situação foi cedido em 60 dias (prazo até 5 de agosto que pode ser aumentado em mais 60 dias)”.

Segundo o que rege o TAC, foi solicitado ao responsável Antônio de Assis (responsável pela obra) que “providencie a desocupação da via pública bem como o aterro das áreas cedidas do terreno em questão, a reconstrução do passeio público e a recolocação de tapumes em situações adequadas de forma de garantir a segurança do cidadão e dos motoristas que transitem na rua”.

IPDSA

O superintendente do IPDSA, Carlos Alberto Delfino, não foi localizado pelo Diário de Araxá para falar sobre a concessão do alvará e execução da obra até o fechamento desta reportagem.

LUG Engenharia

O engenheiro da empresa LUG Engenharia (empresa responsável pela execução da obra), Diego de Oliveira, diz que já foi encomendado um caminhão-pipa para lavar a rua e que já fez a limpeza por volta das 15h desta quinta-feira. Segundo ele, a obra está prevista para ser concluída em setembro.

Notícias relacionadas